Segunda fase do programa dos precários com “poucos pedidos novos”

  • Lusa
  • 9 Novembro 2017

Muitos dos requerimentos entregues desde segunda-feira são repetidos ou de autarquias, que não são abrangidas nesta fase do processo. Até agora, as comissões de avaliação só receberam 900 pedidos.

Cerca de 900 requerimentos de trabalhadores precários foram entregues na segunda fase do programa de regularização extraordinária dos vínculos precários do Estado (PREVPAP), mas “há poucos pedidos novos”, disse à Lusa fonte sindical.

O novo período de candidaturas (PREVPAP) arrancou esta segunda-feira, dia 06, e decorre até dia 17 de novembro, destinando-se aos trabalhadores que, por algum motivo, não entregaram os requerimentos na primeira fase que terminou em junho.

“Até agora, as comissões de avaliação receberam cerca de 900 requerimentos” de trabalhadores precários, disse à Agência Lusa o dirigente sindical da Federação Sindical da Administração Pública (FESAP), José Abraão.

Segundo explicou, “muitos requerimentos são repetidos ou de autarquias, que não são abrangidas nesta fase do processo” e “há poucos pedidos novos”.

A segunda fase de candidaturas ao PREVPAP dirige-se aos trabalhadores da administração direta e indireta do Estado ou do setor empresarial do Estado que não entregaram o requerimento na primeira fase.

Quem entregou fora de prazo (após 30 de junho) não terá de concorrer nesta nova fase, uma vez que o Governo garante que estes casos serão analisados pelas Comissões de Avaliação Bipartidas (CAB).

Segundo dados dos ministérios das Finanças e do Trabalho, na primeira fase as comissões receberam cerca de 31 mil pedidos, 89% das quais foram objeto de requerimentos dos trabalhadores e as restantes situações foram indicadas pelos serviços ou entidades.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Segunda fase do programa dos precários com “poucos pedidos novos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião