Teodora apela a transparência nas administrações públicas

  • Marta Santos Silva
  • 9 Novembro 2017

"Faço-vos um apelo a nível político de considerarem isto uma prioridade a nível orçamental", disse a presidente do CFP no Parlamento após criticar a falta de políticas consistentes no emprego público.

Teodora Cardoso apelou esta quinta-feira a que haja mais transparência na informação sobre as administrações públicas. Respondendo ao PS na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, a presidente do Conselho de Finanças Públicas afirmou: “Aqui faço-vos um apelo a nível político de considerarem isto uma prioridade a nível orçamental”.

Para Teodora Cardoso, que foi ouvida no Parlamento no âmbito da apreciação da Proposta do Orçamento do Estado para 2018, a informação sobre as empresas públicas e a contratação pública deveria ser “fornecida de forma transparente e proporcionada” ao CFP de maneira a poder ser tomada em conta, como pediu o deputado do Partido Socialista Paulo Trigo Pereira. “O CFP não tem recursos que consigam fazer isso”, afirmou a presidente do órgão independente.

De seguida, a economista criticou a falta de “política com pessoal na administração pública”, algo que “não há há muitos anos”. No seu relatório publicado esta terça-feira, o Conselho das Finanças Públicas criticava a subavaliação na proposta de Orçamento do Estado das despesas com as administrações públicas, que deverão aumentar, diz este órgão, mais do que o Governo prevê no próximo ano. “Vamos sempre cair para os problemas da transparência, da qualidade da administração, da qualidade da informação, para que não haja políticas” que sejam injustificadas no papel, continuou Teodora Cardoso.

Em resposta à deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua, que referiu que o Conselho das Finanças Públicas fazia críticas tendo em conta uma interpretação radical das orientações europeias, Teodora Cardoso refutou a acusação. “Nós não assumimos a natureza mais radical das regras, assumimos as regras como elas são. O problema das dificuldades que as regras causam tem muito a ver com a forma como elas são aplicadas”, acrescentou. “Nós exigimos — ou melhor, comentamos — que a despesa deve ser mais eficiente”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Teodora apela a transparência nas administrações públicas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião