Urban Beach intenta providência cautelar contra MAI

  • ECO
  • 9 Novembro 2017

O dono da discoteca que foi fechada pelo Ministério da Administração Interna intentou agora uma providência cautelar para procurar que o espaço de diversão noturna volte a ser aberto.

O dono da discoteca Urban Beach, que foi encerrada pelo Ministério de Administração Interna numa medida cautelar após agressões alegadamente perpetradas pelos seguranças privados do espaço de diversão noturna, intentou uma providência cautelar esta quinta-feira para procurar que a discoteca seja reaberta.

O Grupo K, segundo escreve o Expresso, intentou esta ação para procurar a suspensão do encerramento decidido pelo ministro Eduardo Cabrita. A medida foi avançada na semana passada, após agressões que terão tido lugar na madrugada de 1 de novembro e que foram filmadas por transeuntes e divulgadas nos meios de comunicação.

O vídeo levou o MAI, em coordenação com o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, a decretar o encerramento da discoteca — uma decisão assente também noutras quase quatro dezenas de queixas na PSP por alegadas situações de violência à entrada do Urban, envolvendo seguranças. O Grupo K, proprietário do Urban, teria agora seis meses para “adotar medidas necessárias ao regular funcionamento” do estabelecimento.

A providência cautelar deu esta quinta-feira entrada no Tribunal Administrativo de Lisboa. O Expresso terá tentado contactar o proprietário do espaço mas não obteve comentários adicionais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Urban Beach intenta providência cautelar contra MAI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião