Botton, Relvas e Oxy investem 18 milhões em nova fábrica de louça em Aveiro

  • ECO
  • 14 Novembro 2017

Mesa Ceramics junta acionistas da Logoplaste com a Oxy Capital num investimento de 18 milhões de euros. Quase 200 empregos serão criados, em Aveiro.

A indústria portuguesa da cerâmica vai contar, já no próximo ano, com um novo operador nacional. A Mesa Ceramics terá uma vocação totalmente voltada para as exportações e só nos primeiros oito meses de atividade prevê faturar quatro milhões de euros. A unidade fabril já está em construção no Eco Parque de Estarreja, em Aveiro (a obra deverá ficar concluída em março de 2018).

“Na análise do mercado internacional de cerâmica de mesa, identificámos a oportunidade de fabrico em Portugal para fornecimento de retalhistas internacionais de grande dimensão a preços globalmente competitivos”, assinala o líder executivo e acionista da empresa António Serra Rendas, no Negócios.

A Mesa Ceramics criará 180 postos de trabalho e terá uma capacidade produtiva de 12 milhões de peças (pratos, tigelas e canecas) em grés por ano. O objetivo é que todos esses produtos sejam exportados para a Europa e Estados Unidos. “No ano de cruzeiro (2019) prevemos atingir vendas de dez milhões de euros”, acrescenta Rendas.

O novo operador nacional exigiu um investimento de 18 milhões de euros. Destes, quase nove milhões de euros (8,8 milhões de euros) foram atribuídos à Mesa Ceramics pelo programa Compete (o programa operacional comunitário que financia as empresas).

Da estrutura acionista da empresa que ficará sedeada em Aveiro fazem parte, além de Rendas, José Ortigão Ramos (antigo CFO da multinacional produtora de embalagens e vasilhas plásticas, a Logoplaste), Filipe de Botton e Alexandre Relvas (ambos acionistas da mesma multinacional), e a Oxy Capital (sociedade gestora de fundos de private equity, que participa na Mesa Ceramics através do Fundo Revitalizar Centro, projeto que conta com fundos comunitários e dos principais bancos portugueses).

A unidade fabril da Mesa Ceramics contará, ainda, com sistemas tecnológicos ecológicos. Por exemplo, a iluminação será feita com aparelhos de LED, permitindo significativamente o consumo energético.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Botton, Relvas e Oxy investem 18 milhões em nova fábrica de louça em Aveiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião