Airbus fecha negócio recorde de 50 mil milhões. Boeing responde à altura

  • Juliana Nogueira Santos
  • 15 Novembro 2017

O fundo de investimento norte-americano Indigo Partners encomendou 430 aviões à Airbus, sendo este um negócio recorde. A concorrente norte-americana não esperou muito tempo para responder.

Várias pessoas esperam pela apresentação do Aiurbus A320neo, em 2014.Airbus

A fabricante de aviões Airbus anunciou o maior negócio da sua história, tendo conseguido 49,5 mil milhões de dólares pela venda de 430 aviões A320neo. A compra foi feita pelo fundo de investimento norte-americano Indigo Partners e vai permitir à Airbus ganhar vantagem sobre as suas concorrentes no Dubai Air Show, uma feira de aviões que está a decorrer no Dubai.

O Indigo Parterns, que detém as transportadoras low cost Frontier Airlines nos EUA, JetSMART no Chile, Volaris no México e Wizz Air na Hungria, duplica assim a sua frota de Airbus, tornando-se ao mesmo tempo um dos maiores clientes da empresa francesa. O negócio inclui 273 mais pequenos e 157 de uma versão maior.

Na conferência de imprensa após o negócio, o presidente do fundo, Bill Franke, afirmou que este compromisso “sublinha a nossa visão otimista do potencial de crescimento da nossa família de companhias low cost, bem como a certeza de que a família A320neo é uma plataforma para esse crescimento”. Para a Airbus, representada na conferência pelo CCO John Leahy, este é um negócio “muito gratificante para nós” e que consolida a Indigo como “um cliente e apoiante extraordinário”.

Este poderá não ser o último negócio da Airbus no Dubai Air Show, visto que esta terça-feira já tinha vendido 25 aviões da mesma família a uma companhia aérea do Médio Oriente. O objetivo da fabricante francesa é aumentar as encomendas nesta feira, na qual tem estado bem atrás das suas principais concorrentes norte-americanas.

A notícia da venda recorde foi bem recebida nos mercados. Na Bolsa de Paris, as ações da empresa AIR 3,48% francesa estão a levantar voo, seguindo a ganhar 4,01% para 86,89 euros.

Conheça melhor o Airbus A320neo

Boeing responde com negócio de 27 mil milhões

Pouco menos de se saber que a Airbus tinha conseguido fechar este negócio recorde, uma das suas maiores concorrentes dá uma resposta à altura. A Boeing anunciou que a flydubai encomendou 225 aviões do modelo 737 MAX, totalizando um negócio de 27 mil milhões de dólares. Esta é, segundo a fabricante norte-americana, a maior encomenda alguma vez feita por uma companhia aérea do Médio Oriente.

Kevin McAllister, presidente executivo da Boeing, afirmou que esta está “honrada porque a flydubai escolheu ser um operador totalmente Boeing por muitos anos.” A Bloomberg avança que, inicialmente, este negócio era para ser dividido entre a Boeing e a Airbus, mas a norte-americana conseguiu levar a melhor.

A companhia aérea estatal do Dubai completa assim 320 encomendas feitas à Boeing, 67 das quais do modelo 737.

(Notícia atualizada pela última vez às 9h31 a resposta da Boeing)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbus fecha negócio recorde de 50 mil milhões. Boeing responde à altura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião