Perfil: Isabel dos Santos, a mulher mais rica de África

  • Lusa
  • 15 Novembro 2017

Nasceu em Baku em 1973, é filha de José Eduardo dos Santos e dona de um império internacional. Quem é Isabel dos Santos?

Dona de um império internacional que se estende da banca às telecomunicações, passando pelo cimento e pelo petróleo, Isabel dos Santos é considerada a mulher mais rica de África, com uma fortuna estimada em 3,4 mil milhões de dólares.

A filha mais velha do homem que governou Angola durante 38 anos, José Eduardo dos Santos, foi hoje exonerada do cargo de presidente do conselho administração que detinha na petrolífera estatal angolana, a Sonangol, uma decisão de quem substituiu o seu pai nas eleições de agosto passado, João Lourenço.

Resta saber até que ponto este revés poderá afetar o percurso empresarial de Isabel dos Santos, que começou em 1996 – como dona de um restaurante e clube noturno em Luanda, o Miami Beach Club – e que hoje, 20 anos depois, inclui participações na banca em Angola (Banco de Fomento Angola) e em Portugal (BPI), na sociedade de cimentos angolana Cimangola, nas telecomunicações em Angola (Unitel) e em Portugal (Nos) e no ramo petrolífero em Portugal (Galp).

Em 2013, a revista norte-americana Forbes noticiava que Isabel dos Santos se tinha tornado na primeira mulher bilionária em África. Quatro anos depois estimava a sua fortuna pessoal em 3,4 mil milhões de dólares, mais do que qualquer outra mulher no continente africano.

Pelo meio, inúmeros “títulos” na imprensa internacional: o britânico Guardian chamava-lhe “Princesa”, o espanhol El País “Rainha de África e Imperatriz de Portugal”, o Le Monde comparava-a a uma “oligarca russa”.

Isabel dos Santos nasceu em Baku (antiga União Soviética, atual Azerbaijão) em 1973, filha de José Eduardos dos Santos, então um jovem militante do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) em formação na URSS para combater o colonialismo português em Angola, e de Tatiana Kukanova, uma jogadora de xadrez russa que estudava geografia.

Com apenas seis anos, em 1979, Isabel vê o pai assumir o cargo de Presidente de Angola, sucedendo – de forma algo surpreendente – ao histórico Agostinho Neto, o homem que tinha declarado a independência angolana, em novembro de 1975.

No início dos anos 1980, Angola mergulha numa guerra civil – que opõe o MPLA à União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA() – e Isabel dos Santos refugia-se em Londres com a mãe (agora já divorciada do Presidente José Eduardo). A jovem terá estudado dois anos na St. Paul’s (uma escola pública em Londres) e mais tarde cursou engenharia e gestão de empresas no King’s College, também em Londres.

Regressa a Angola aos 24 anos, lançando-se na aventura empresarial com o Miami Beach Club, que não corre particularmente bem.

Segundo o jornal Expresso, foi pouco depois do Miami Beach que, em 1999, Isabel dos Santos entrou no negócio dos diamantes em Angola. O governo angolano, contou o jornal num artigo de 2016, tinha atribuído à Ascorp o direito exclusivo de comercialização de diamantes angolanos, e Isabel assegurava uma percentagem de 24,5% da nova sociedade através da empresa TAIS, que detinha com a sua mãe, Tatiana Kukanova.

A Ascorp juntava ainda a empresa estatal de mineração de diamantes, a Endiama (com 51%), e a Welox (com outros 24,5%).

“A licença da Ascorp seria suspensa em 2004, quando também os 75% que Isabel dos Santos detinha na TAIS foram transferidos para a sua mãe. Nessa altura, a filha do Presidente já estava dedicada ao início da sua carreira de empresária de sucesso como acionista de 25% do capital da Unitel, a primeira operadora móvel de Angola, colando-se como sócia à Portugal Telecom”, escreveu na altura o Expresso.

A Unitel permitiu alargar a rede de Isabel a outros negócios e setores: através da empresa de telecomunicações entrou no Banco de Fomento Angola (BFA) e atualmente detém 51% do banco que tinha sido criado pelo português BPI (do qual chegou a deter 19%).

Isabel dos Santos também é a maior acionista do BIC Angola (com 42,5%) e da Zap (com 70%), uma parceria com a portuguesa NOS para produzir e distribuir conteúdos de televisão por cabo para Angola e Moçambique, e controla – com o seu marido, Sindika Dokolo, e com o Estado angolano – a cimenteira Cimangola.

Em Portugal, Isabel dos Santos controla indiretamente a NOS (com 52,14%), o BIC português (42,5%) e detém uma participação na petrolífera portuguesa Galp. No entanto, a empresária exercia um controle superior à sua participação acionista, através da parceria na Amorim Energia, detida em 45% pela Esperaza Holding, uma sociedade que a filha do ex-Presidente detém com a Sonangol.

A empresária angolana também detém, em Portugal, a totalidade da Santoro Financial Holdings, SGPS.

Mãe de quatro filhos, Isabel dos Santos fala seis idiomas (português, russo, inglês, espanhol, francês e italiano). Em abril último concedeu uma das raras entrevistas à BBC, na qual admitia ter construído “um percurso inesperado”, mas na qual se insurgia contra os “preconceitos” que enfrenta por ser filha de quem é.

“Não há dúvida que há muito preconceito [sobre quem sou]. Acho que tenho um trajeto inesperado (…) Há privilégio e preconceito. Há ambos. Sou privilegiada no sentido em que tive uma boa educação, em que pude ver o mundo, em que consegui dar-me com pessoas de todos os extratos. Mas acho que foi só isso. (…) Pensar que as vantagens [que obtive] foram injustas ou foram através de favores, ou favoritismo, acho que isso é preconceituoso”, disse na ocasião.

Sobre o apodo de “filha do Presidente”, Isabel dos Santos foi taxativa: “é um mito”.

“Não há essa coisa da ‘filha do Presidente’. É um mito. (…) O trabalho do nosso pai, seja um Presidente ou um CEO, é uma relação profissional da vida dele. E são dois aspetos muito diferentes”, realçou.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Perfil: Isabel dos Santos, a mulher mais rica de África

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião