Investir menos de sete mil em obrigações de retalho dá prejuízo

Pense duas vezes antes de investir nas obrigações do Estado para o retalho. 7.000 euros? Não chegam para as comissões dos bancos. Pode procurar alternativa nos novos certificados do Tesouro.

Vai investir nesta emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV)? Pense duas vezes antes de o fazer. É que com uma aplicação mínima 1.000 euros muito provavelmente vai ter prejuízo no seu bolso. Mesmo com 7.000 euros não é garantido que o investimento vá render. Caso tenha em mente investimentos abaixo de dez mil euros, talvez seja melhor ideia virar-se para os novos Certificados do Tesouro Poupança Crescente (CTPC).

Há impostos e sobretudo comissões que sacrificam o rendimento que se pode extrair destas OTRV. É verdade que a taxa de 1,1% é a mais baixa de sempre, mas não há muitas alternativas de poupança mais atrativas no mercado. Ainda assim, há que contar com o fator do comissionamento. As OTRV são subscritas nos balcões dos bancos, que se fazem cobrar por este serviço. E muito, retirando expressividade ao retorno que estes títulos podem dar.

O ECO fez as contas com base no simulador disponibilizado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Foram tidos em conta os cinco principais bancos nacionais (Caixa Geral de Depósitos, BCP, BPI, Novo Banco e Santander Totta) e ainda dois bancos online (BiG e ActivoBank).

Feitas as contas, para investimentos de 1.000 euros (compra uma OTRV), é melhor esquecer. Os bancos não só levam o seu retorno de juros como ainda ficará a perder dinheiro entre impostos e comissões. No pior dos casos, estreando-se no mercado com 1.000 euros nestas OTRV, vai perder 280 euros (Novo Banco).

Este cenário muda no caso de já possuir uma conta de negociação. Dado que já teria de assumir encargos com as comissões de registo e depósito com outros títulos financeiros que tem em carteira, este custo surge diluído com uma aplicação de 1.000 euros em OTRV, permitindo-lhe alcançar um retorno líquido positivo no BPI, BCP, Caixa e ActivoBank.

Investimento mínimo dá prejuízo quase certo

Mesmo investindo 7.000 euros, há situações em que também ficará a perder dinheiro. Quem não possui uma conta de negociação fica claramente em desvantagem no caso da banca mais tradicional, como se pode observar no gráfico em baixo. Por outro lado, no banco online BiG, não há diferenças: seja estreante neste tipo de aplicações ou não, fica a ganhar os mesmos 196,99 euros. Será à partida o melhor negócio.

Só com 7.000 euros se consegue obter retornos

E os novos certificados do Tesouro?

Não restem dúvidas de que para alcançar rentabilidades interessantes nestas OTRV terá de realizar um esforço financeiro considerável. Só com investimentos a partir de 7.000 euros é que se consegue atingir o breakeven na maioria dos casos. Não tem fôlego para acompanhar o andamento das OTRV? Nesse caso, os novos CTPC lançados há poucas semanas pelo Governo podem ser uma boa alternativa.

Estes títulos dão um retorno médio bruto de 1,35% nos sete anos de aplicação. Têm outras características diferentes das OTRV além da maturidade: não há comissões (ponto positivo), o risco dos certificados é mais baixo que das obrigações (outro ponto positivo) e pode haver lugar a um bónus a partir do segundo caso a economia se apresente em boa forma (mais um ponto a favor).

Tudo isto interessa no retorno que pode tirar no final. Mas olhando logo para o primeiro ano: em termos líquidos, 7.000 euros em CTPC rendem 37,8 euros líquidos com base na taxa bruta de 0,75%. Em nenhum dos cinco principais bancos consegue igualar este retorno no total dos cinco anos caso seja um estreante nestes investimentos. Pelo contrário, se consegue tirar 27 euros no BPI, nos restantes bancos vai registar perdas que oscilam entre 18 euros (Caixa Geral de Depósitos) e 84 euros (Novo Banco). Só a banca online pode fazer mudar de ideias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investir menos de sete mil em obrigações de retalho dá prejuízo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião