Limitar turismo é “um disparate absoluto”, diz Governo

O ministro dos Negócios Estrangeiros rejeita que haja turistas a mais e defende que é preciso "contrariar o discurso contra o turismo".

A Câmara Municipal de Lisboa prepara-se para impor alguns limites ao turismo, através da definição de quotas para o alojamento local e de uma capacidade máxima de unidades hoteleiras na cidade. Esta estratégia, diz Augusto Santos Silva, é “um disparate absoluto”. O ministro dos Negócios Estrangeiros alinha-se no discurso que tem vindo a ser feito pelo Governo e rejeita que haja turistas a mais, mesmo nos centros históricos das maiores cidades. O importante, garante, é “contrariar o discurso contra o turismo”.

“O turismo vale 7% do Produto Interno Bruto [PIB] e 8% do nosso emprego. Representa mais de um terço do conjunto das exportações e mais de metade das exportações de serviços. Todos os indicadores representam um crescimento sólido e sustentável“, começou por dizer o ministro, um dos convidados do congresso anual da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que este ano decorre em Coimbra.

É falso que o país tenha turistas a mais, é falso que Lisboa tenha turistas a mais, é falso que o centro de Lisboa tenha turistas a mais, é falso que o turismo seja uma ameaça seja para que dimensão for.

Augusto Santos Silva

Ministro dos Negócios Estrangeiros

Para Augusto Santos Silva, “é falso que o país tenha turistas a mais, é falso que Lisboa tenha turistas a mais, é falso que o centro de Lisboa tenha turistas a mais, é falso que o turismo seja uma ameaça seja para que dimensão for”. Pelo contrário: “Temos uma margem de crescimento que é nossa obrigação explorar. Precisamos do turismo para que o crescimento do emprego continue e se expanda, para que os programas em curso de reabilitação urbana nas nossas cidades prossigam, para que a restauração, os serviços e o tecido de comércio e serviços não regresse à astenia que viveu há poucos anos”.

Assim, defende, é preciso “contrariar o discurso contra o turismo” e trabalhar para o seu crescimento. “Seria um disparate absoluto parar com o crescimento do turismo”, argumenta. Recorde-se que na quinta-feira passada (9 de novembro), a presidente do Conselho das Finanças Públicas, Teodora Cardoso, lançou um alerta para os riscos relacionados com a volatilidade da atividade e pediu “grande prudência”, não só por ser “um dos componentes mais voláteis da procura externa” mas especialmente por estar a levar a um aumento dos preços do imobiliário, que historicamente provocou, em parte, a crise de 2011.

A estratégia deverá passar pela articulação da economia, cultura e política externa. “A boa conjuntura que o turismo atravessa não é apenas uma conjuntura. É preciso investir nas forças estruturais que podem fazer disto mais do que uma conjuntura. Se articularmos melhor o que uns fazem na economia, outros na cultura e outros na política externa, esse potencial multiplica-se”, concluiu.

Também presente neste congresso, a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, também rejeita que haja um problema de sobrecarga. “Estamos longíssimo da sobrecarga. Temos situações pontuais que devem ser resolvidas, não devemos enfiar a cabeça na areia”, disse a governante.

Estamos longíssimo da sobrecarga. Temos situações pontuais que devem ser resolvidas, não devemos enfiar a cabeça na areia.

Ana Mendes Godinho

Secretária de Estado do Turismo

Para isso, lembrou, o Governo já avançou com um Programa de Sustentabilidade do Turismo, que visa, sobretudo, a sustentabilidade social. “Queremos que o turismo seja um agente para garantir que pelo menos 90% das populações estão satisfeitas com o turismo nos seus territórios. Queremos agir na prevenção e implementar projetos, pedindo à sociedade civil que também os desenvolva, no sentido de identificar problemas que existam e agir sobre eles”, explicou.

A jornalista viajou a Coimbra a convite da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Limitar turismo é “um disparate absoluto”, diz Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião