Nomura à espera da Fitch para dizer adeus à dívida nacional

  • Juliana Nogueira Santos
  • 17 Novembro 2017

Face à quase certa decisão da Fitch de tirar Portugal do 'lixo', o gestor do Nomura considera que um investidor "prudente" é aquele que após a decisão fará as malas.

A melhoria do rating português por parte da Fitch, que mantém as obrigações portuguesas no nível de “lixo” será um boa notícia para a economia nacional, mas não para os investidores. Quem o diz é um dos maiores fãs da dívida nacional, Richard Hodges da Nomura Asset Management, que assume que assim que a melhoria acontecer, chega a hora de fazer as malas e seguir outros caminhos.

“Assim que a história de recuperação terminar, se o rating for melhorado, então a dívida portuguesa vai passar a ser uma história de sensibilidade face ao ciclo de juros onde tanto as políticas, a economia e as taxas de referência terão influência no nível das yields” de Portugal, afirma Hodges em declarações à Bloomberg. A dívida portuguesa deixará de ser considerada “lixo”, o que atrairá fundos mais conservadores.

Neste sentido, “sugeriria que uma pessoa prudente, que tenha posições longas [aposta na valorização dos títulos] na dívida portuguesa, deveria provavelmente reduzir alguma dessa à exposição à medida que a história se desenrola”, considera o gestor, que mantém a aposta na dívida nacional até à decisão da Fitch, a ser conhecida a 15 de dezembro. A especulação em torno da melhoria do rating por parte da Fitch tem crescido, com o Rabobank a acreditar que o passo vai ser dado.

Em julho, Hodges tinha afirmado à mesma agência que “as dinâmicas estão a mudar em Portugal” e que, em consequência, o fundo japonês que gere tinha aumentado a sua exposição. Na altura, 10% da sua carteira de investimentos era dívida portuguesa, ou seja, cerca 435 milhões de euros.

Taxa de juro a dez anos abaixo dos 2%

Nos mercados de dívida, a tendência da taxa das obrigações portuguesas é de queda, com a taxa a dez anos a negociar bem abaixo dos 2%, caindo 0,15% para 1,977%. Já esta semana, a taxa atingiu os 1,93%, renovando mínimos de abril de 2015, isto ainda antes de Portugal voltar a reembolsar antecipadamente o FMI em 2,78 mil milhões de euros.

Taxa a dez anos renovou mínimos de abril de 2015

Para Richard Hodges, o truque será manter a atenção focada não só na dívida portuguesa, mas também nas obrigações dos países periféricos. “Se a Fitch não melhorar o rating, qualquer queda no valor das obrigações portuguesas deve ser aproveitada como uma oportunidade para aumentar a exposição” à dívida do país, conclui o analista.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nomura à espera da Fitch para dizer adeus à dívida nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião