Juros a três anos também já estão abaixo de zero

Há mais uma linha de dívida a negociar com taxas negativas em mercado secundário. Juros das obrigações a três anos caíram para terreno negativo, refletindo confiança dos investidores com Portugal.

A descompressão dos juros portugueses continua e agora foi a vez de a taxa associada às obrigações a três anos a cair para terreno negativo pela primeira vez.

A yield implícita na dívida a três anos cai para -0,004%. É um novo prazo da dívida nacional que negoceia em mercado secundário com valores negativos depois dos títulos a três, seis e 12 meses e ainda as obrigações a dois anos também já estarem a transacionar com juros abaixo de zero.

Na prática, isto quer dizer que alguns investidores estão mais confiantes em relação a Portugal e estão a manifestar esse otimismo com a aquisição de títulos de dívida por um valor superior àquele que o título vai dar no seu vencimento. Por exemplo, estão a adquirir um título a outro investidor por 101 euros quando no final da maturidade só vão receber 100 euros da entidade que o emitiu, neste caso Portugal. Daí a rentabilidade ser negativa.

Porém, apesar dos juros negativos, não é líquido que os investidores que comprem agora estes títulos vão perder dinheiro. Primeiro, porque podem apostar numa estratégia de valorização dos títulos portugueses (como tem acontecido ao longo deste ano) e vendê-los por 102 euros, por exemplo, antes de ela vencer. Na verdade, este é um cenário cada vez mais possível à medida que o país for apresentando indicadores económicos positivos e as agências de rating emitindo opiniões favoráveis em relação ao perfil de crédito de Portugal — depois da Standard & Poor’s, a agência Fitch pode ser a próxima agência a tirar o país do nível “lixo” já em dezembro.

Fonte: Bloomberg

Depois, acontece que as Obrigações do Tesouro a dois anos e três anos são títulos que dão direito um cupão pago pelo emitente (a República portuguesa), garantindo assim uma remuneração para quem os possui.

Em relação às outras maturidades que observam taxas negativas, os bilhetes a três meses, seis meses e a 12 meses transacionam com juros de -0,415%, -0,401% e -0,336%, respetivamente. A taxa implícita nas obrigações a dois anos perde terreno para -0,186%.

Além dos fatores internos, também a envolvente externa está a influenciar o comportamento dos mercados, com destaque para a ação decisiva do Banco Central Europeu (BCE) que, ao manter as taxas de juro dos depósitos dos bancos em -0,4%, está a “forçar” os grandes investidores institucionais a comprar títulos de dívida dos governos da zona euro mesmo que estes apresentem rentabilidades negativas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros a três anos também já estão abaixo de zero

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião