FMI: Portugal deve aproveitar bonança para construir almofada orçamental

Fundo diz que países com elevada dívida como Portugal devem aproveitar fulgor da economia para criar almofadas orçamentais e assim protegerem-se de choques no futuro, como a subida dos juros do BCE.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que Portugal deve aproveitar os tempos de maior bonança económica para reconstruir uma almofada orçamental e reforçar a capacidade de a economia crescer e absorver choques no futuro.

“Na Europa avançada, vários países têm elevados rácios de dívida pública e almofadas orçamentais limitadas, incluindo a Bélgica, França, Itália, Portugal, Espanha e o Reino Unido. Com o crescimento a acelerar, estes países devem gradualmente consolidar para reconstruir uma margem política e colocar a dívida numa trajetória descendente”, salienta a instituição liderada por Christine Lagarde num relatório publicado esta segunda-feira onde contextualiza as melhorias nas previsões económicas para o Velho Continente (e para Portugal) anunciadas no World Economic Outlook no mês passado.

No entanto, o Fundo sublinha que a redução da dívida pública “não deve comprometer a retoma económica” em curso.

O FMI vê a economia portuguesa a crescer 2,5% em 2017, desacelerando para 2% no próximo ano. Em relação à trajetória da dívida pública, o rácio deverá baixar para 125,7% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano, reforçando a queda para 122,5% em 2018, segundo a última atualização das previsões daquele organismo internacional.

Crescimento desacelera no próximo ano

Fonte: FMI

Para o Fundo, fatores como o envelhecimento da população, o aumento das políticas protecionistas, tensões geopolíticas e menor fulgor nas exportações por causa da desaceleração chinesa adicionam incerteza em relação ao futuro. “É por isso que todos os governos europeus devem aproveitar a melhoria da economia para ajudar as suas economias a ajustarem”, argumenta.

"Na Europa avançada, vários países têm elevados rácios de dívida pública e almofadas orçamentais limitadas, incluindo a Bélgica, França, Itália, Portugal, Espanha e o Reino Unido. Com o crescimento a acelerar, estes países devem gradualmente consolidar para reconstruir uma margem política e colocar a dívida numa trajetória descendente.”

FMI

Por outro lado, no caso de países como Portugal, que apresenta um elevado nível de endividamento público, se o Governo deve adotar uma política orçamental equilibrada para não colocar em causa da criação de riqueza, deve ter em atenção que o ambiente de juros baixos está a terminar, à medida que o Banco Central Europeu (BCE) vai retirando gradualmente as medidas de estímulo na região da Zona Euro.

“Muitas economias avançadas e emergentes precisam de reduzir os ainda elevados défices orçamentais de uma forma que seja amiga do crescimento. Esta tarefa é particularmente importante para aquelas que têm uma elevada dívida pública, dado que as taxas de juro deverão aumentar ao longo do tempo”, diz o FMI.

Dívida pública baixa dos 120% do PIB em dois anos

Fonte: FMI

"Muitas economias avançadas e emergentes precisam de reduzir os ainda elevados défices orçamentais de uma forma que seja amiga do crescimento. Esta tarefa é particularmente importante para aquelas que têm uma elevada dívida pública, dado que as taxas de juro deverão aumentar ao longo do tempo.”

FMI

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI: Portugal deve aproveitar bonança para construir almofada orçamental

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião