FMI vê com bons olhos plataforma para o malparado

A banca está melhor, mas o malparado continua a ser um problema. O FMI diz que a plataforma para resolver os créditos em incumprimento pode ser boa, mas é preciso reforçar modelos de negócio.

A banca portuguesa está melhor. Os aumentos de capital reforçaram o setor, o processo de desalavancagem continua, mas o Fundo Monetário Internacional (FMI) alerta para problema do malparado. A criação de uma plataforma que permitirá a resolução mais rápida dos empréstimos em incumprimento é “importante”, ainda que não resolva todos os problemas. O FMI defende que o setor tem de reforçar o seu modelo de negócio, nomeadamente através de mais cortes de custos.

“Os bancos portugueses estão líquidos e continuam a fazer progressos no processo de desalavancagem”, referem as conclusões preliminares do FMI da mais recente missão ao abrigo do Artigo IV realizada entre 19 e 29 de junho. “No entanto, enfrentam vários desafios, incluindo a fraca qualidade dos ativos, baixa rentabilidade e almofadas limitadas”, remata.

“O total de crédito malparado encolheu em 0,3 pontos percentuais em 2016 para 17,2% do total dos créditos, com a debilidade da qualidade dos ativos a estar concentrada no setor empresarial”, nota o FMI, salientando que “é precisa a limpeza do balanço dos bancos e uma redução da dívida empresarial”.

O FMI nota que esta limpeza de balanços, com especial foco no malparado das empresas, “deverá incluir um plano credível de todo o setor para reconhecer, reestrutura e vender estes ativos“. “A plataforma que está a ser desenvolvida pelos bancos com apoio das autoridades é uma iniciativa importante que deverá facilitar os esforços do setor”, nota. O Governo já apresentou os seus planos aos bancos.

De acordo com o fundo liderado por Christine Lagarde, “estes esforços terão de ser suportados por um fortalecimento dos modelos de negócio dos bancos e por um aumento da rentabilidade, incluindo mais cortes de custos”. “Os bancos precisarão também de implementar novos modelos de provisões bem como de constituir almofadas de capital adicionais“, remata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI vê com bons olhos plataforma para o malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião