FMI: Construção está a puxar pela economia até aos 2,5%

O investimento na construção durante o primeiro semestre levou a uma recuperação do setor. Quem o diz é o Fundo Monetário Internacional nas conclusões preliminares da última missão feita em Portugal.

2017 é um ano alicerçado num momento positivo para a economia portuguesa. Parte desses alicerces continuam a estar no turismo, que também está a dar gás à construção, um setor penalizado pela falta de investimento público nos últimos anos. Esta é a conclusão dos técnicos do FMI num documento preliminar divulgado esta sexta-feira sobre a mais recente missão ao abrigo do Artigo IV realizada entre 19 e 29 de junho. “Como resultado, projeta-se que o crescimento real do PIB acelere para cerca de 2,5% em 2017 e mantenha-se nos 2% em 2018“, lê-se nas conclusões preliminares.

A equipa liderada por Subir Lall considera que a economia portuguesa ganhou “momentum” em 2017, prevendo que o turismo cresça na ordem dos dois dígitos pelo quarto ano consecutivo. Parte dessa aceleração no turismo refletiu-se na construção, um setor em que o investimento aumentou nos primeiros seis meses do ano. “Também existem sinais de uma aceleração nas exportações, impulsionado pela recuperação robusta da Zona Euro”, acrescentam os técnicos do Fundo Monetário Internacional, assinalando que os indicadores de confiança continuam a ser fortalecidos “significativamente”.

O FMI denota ainda que Portugal fez um progresso “louvável” na resolução de riscos de curto prazo, elogiando também o caminho feito do ponto de vista orçamental no controlo da despesa e nas soluções aplicadas à banca portuguesa. Por isso, — citando previsões do Banco de Portugal, Ministério das Finanças, INE e Eurostat –, o FMI conclui que “projeta-se que o crescimento real do PIB acelere para cerca de 2,5% em 2017 e mantenha-se nos 2% em 2018”. Estes números correspondem às previsões que o Banco de Portugal divulgou há uma semana.

Projeta-se que o crescimento real do PIB acelere para cerca de 2,5% em 2017 e mantenha-se nos 2% em 2018.

Fundo Monetário Internacional

Resultado da mais recente missão pós-programa

Apesar da confiança para este ano, o Fundo Monetário Internacional volta a reforçar a ideia de que é preciso aumentar o potencial da economia em Portugal a médio prazo. Para lá chegar, a receita continua a ser a mesma: reformas estruturais que promovam o investimento e a produtividade. “Os níveis de investimento têm de aumentar substancialmente para aumentar o crescimento potencial da economia a médio prazo“, escrevem os técnicos, pedindo mais flexibilidade no mercado de trabalho e o aumento dos salários em linha com a evolução da produtividade.

No World Economic Outlook de abril o FMI tinha revisto em alta o crescimento da economia portuguesa de 1,1% para 1,7% em 2017. Na última vez que atualizou essa previsão, o Governo aumentou a meta do PIB param 1,8% este ano. Contudo, são várias as entidades que já têm previsões mais otimistas, algumas perto de 3%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI: Construção está a puxar pela economia até aos 2,5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião