BCP e Jerónimo Martins condicionam início da sessão

  • Juliana Nogueira Santos
  • 17 Novembro 2017

Ainda que tenha iniciado a sessão a registar ganhos ligeiros, o principal índice bolsista nacional segue em terreno negativo. O BCP e a Jerónimo Martins são as que mais pressionam.

Lisboa iniciou a última sessão da semana em terreno positivo, registando ganhos ligeiros. Contudo, a pressão vendedora exercida sobre o BCP e a Jerónimo Martins não deixou o PSI-20 continuar a subir, com o índice a reverter para perdas. Em terreno positivo destacam-se os CTT e a REN.

O principal índice bolsista nacional encaminhava-se para a segunda sessão de ganhos, avançando 0,06% para 5.274,68 pontos, mas a pressão dos gigantes levou o índice a reverter para perdas de 0,11% para 5.266,08 pontos. O banco liderado por Nuno Amado segue a perder 0,51% para 25,24 cêntimos, enquanto a retalhista perde 0,06% para 15,78 cêntimos.

A destacar-se também nas perdas está a EDP Renováveis, que iniciou a sessão a perder 0,32%, e a Galp Energia que, após o maior fundo soberano mundial ter afirmado que vai reduzir a sua exposição às petrolíferas, cai 0,06%.

No outro prato da balança, mas sem força suficiente para contrabalançar as perdas, seguem as ações dos CTT e da REN. A Rede Energética Nacional viu a sua operação de aumento de capital aprovada pelo regulador dos mercados, pelo que os chineses da State Grid e da Fidelidade já expressaram interesse. As ações avançam 0,27% para 2,64 euros.

Do lado da distribuidora nacional, os títulos recuperam das quedas que se seguiram à apresentação de resultados trimestrais, em que os lucros afundaram 57%. Avançam 0,99% para 3,25 euros. “Este movimento é essencialmente de natureza técnica, constituindo uma reação às fortes perdas acumuladas desde a apresentação dos resultados”, apontam os analistas do BPI. “Após uma queda tão acentuada como a observada nos CTT, é normal que o título apresente uma elevada volatilidade à medida que os investidores reformulam as suas perspetivas em relação à empresa, incorporando a sua nova conjuntura, caracterizada pelo corte do dividendo e pelos resultados.”

Na Europa, o dia também é de perdas. Em Espanha o IBEX-35 perde 0,09% enquanto em Itália o CAC-40 desliza 0,09%. Ainda assim, o agregador Stoxx 600 segue acima da linha de água, registando ganhos ligeiros de 0,02%

(Notícia atualizada às 8h38 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP e Jerónimo Martins condicionam início da sessão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião