CTT em reestruturação. Podem rescindir com 300 trabalhadores

Face aos sucessivos resultados pouco positivos, os CTT abriram a porta a rescisões com até 300 trabalhadores. Vai propor "pacote de benefícios" nos casos considerados "elegíveis".

Os CTT vão levar a cabo uma reestruturação que poderá resultar na saída de até três centenas de trabalhadores, avança esta quarta-feira a revista Sábado. O programa surge numa altura especialmente crítica para a empresa, face a sucessivos trimestres de resultados pouco satisfatórios, sobretudo devido à queda acentuada no tráfego do correio.

De acordo com a Sábado, fonte da empresa indicou que “após algumas solicitações de reformas antecipadas”, a empresa comunicou “às estruturas representativas dos trabalhadores que estão disponíveis para, em duas etapas distintas, acolher até cerca de 300 rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas”.

A queda do tráfego do correio, explicada com a natural digitalização das comunicações, tem vindo a penalizar sucessivamente as receitas de uma empresa como os CTT, cujo core do negócio é historicamente o correio tradicional. No final de outubro, reportou uma queda de 57% nos lucros entre janeiro e setembro face aos mesmos nove meses de 2016. A empresa viu-se ainda obrigada a cortar o dividendo de 48 para 38 cêntimos por ação, provocando uma hemorragia na bolsa.

De acordo com o jornal Dinheiro Vivo, os CTT referem que as rescisões serão levadas a cabo tendo em conta “uma política de respeito” pelos funcionários pelo que, “nos casos elegíveis”, irão “propor um pacote de benefícios que inclui o apoio à criação de empresas pelos trabalhadores que aceitarem a proposta de rescisão da empresa, bem como à sua formação profissional”.

(Notícia atualizada às 19h44 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT em reestruturação. Podem rescindir com 300 trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião