Trabalhadores pedem reunião urgente a novo presidente da Altice

  • Lusa
  • 20 Novembro 2017

Estruturas representativas dos trabalhadores da PT/Meo solicitaram esta segunda-feira uma reunião ao novo presidente-executivo da Altice devido ao “contexto muito preocupante” da empresa.

As estruturas representativas dos trabalhadores da PT/Meo solicitaram hoje uma “reunião urgente” ao novo presidente executivo da multinacional francesa de telecomunicações Altice, Dexter Goei, devido ao “contexto muito preocupante” da empresa adquirida pelo grupo.

Numa missiva endereçada a Dexter Goei, os sete sindicatos que representam os funcionários e a comissão de trabalhadores sublinham que “a gestão à base do corte de custos marca a gestão da Altice nos países onde opera e está na base de muitos dos problemas surgidos em Portugal com os trabalhadores e as suas organizações, o que tem contribuído decisivamente para a desmotivação profissional, para a diminuição da qualidade de serviço prestada aos clientes e para a perda para a concorrência”.

Falando num “contexto muito preocupante”, estas estruturas exigem conhecer, de forma “célere e inequívoca”, o “projeto futuro do grupo e os impactos que […] terá em Portugal, tanto para a empresa como para os seus trabalhadores”.

“Certos que o CEO [presidente executivo] da Altice compreenderá perfeitamente as preocupações dos trabalhadores e dos seus representantes, aguardamos a marcação da reunião com a maior brevidade possível”, acrescentam.

As estruturas representativas dos trabalhadores falam ainda num “clima de conflitualidade existente na PT Portugal”, que está relacionado com a “forma como tem vindo a ser conduzida a gestão organizativa e dos recursos humanos”, e que deu origem a diversos protestos nos últimos meses.

Hoje, a Altice indicou, em comunicado, que afasta a preparação de um eventual aumento de capital e confirma os seus planos de desalavancar o balanço, reiterando que não irá procurar “novas oportunidades de fusões e aquisições significativas”.

O fundador e principal acionista da Altice, Patrick Drahi, assumiu no início deste mês a presidência do Conselho de Administração, depois de o grupo ter anunciado a reorganização da administração juntamente com a demissão de Michel Combes, que era presidente executivo da Altice Holanda, diretor da Altice Holanda, diretor da Altice Estados Unidos e presidente do Conselho de Administração e presidente executivo do grupo de telecomunicações, televisão e rádio francês (SFR).

A sede da Altice é na Holanda, mas a relação com os investidores ocorre a partir da Suíça.

As ações do grupo têm estado a registar perdas porque os investidores estão preocupados com os resultados publicados em 02 de novembro último, segundo os quais as receitas caíram 1,8% no terceiro trimestre face ao mesmo período de 2016.

A liquidez disponível da Altice situou-se em finais de setembro em 5.100 milhões de euros, enquanto a dívida total consolidada do grupo ascendia a 49.557 milhões de euros, mais 361 milhões do que no final do segundo trimestre, principalmente devido ao montante pago para adquirir ações do SFR, segundo consta da apresentação de resultados.

A Altice opera em dez territórios, desde Nova Iorque a Paris (SFR, BFM TV, Libération), Telavive (HOT), Lisboa (MEO), Santo Domingo (Altice Hispaniola), Genebra, Amesterdão e Dallas, e nos últimos anos multiplicou as suas aquisições.

Nos Estados Unidos adquiriu os operadores de cabo Suddenlink e Cablevision, segundo o diário suíço Le Temps.

A instabilidade da cúpula do grupo vem de longe, tendo em conta que em setembro último também abandonou o cargo de presidente do SRF, Michel Paulin.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores pedem reunião urgente a novo presidente da Altice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião