Zimbabué. Robert Mugabe demite-se

  • ECO
  • 21 Novembro 2017

Robert Mugabe acaba de deixar a presidência do Zimbabué. O pedido de demissão foi entregue, num momento em que estava iminente a sua destituição.

Robert Mugabe ocupou o cargo de presidente do Zimbabué por 30 anos.

Trinta anos depois de ter assumido o cargo de Presidente do Zimbabué, Robert Mugabe demite-se. A notícia foi avançada por um porta-voz do Parlamento, de acordo com a Associated Press. O político de 93 anos decidiu deixar o cargo, num momento em que estava iminente o seu impeachment. O antigo vice-presidente, Emmerson Mnangagwa, assumirá, entretanto, a liderança interina do país.

Lutámos contra o leão e ganhámos“, congratulou-se o líder da bancada da União Nacional Africana do Zimbabué – Frente Patriótica (Zanu-Pf), na sequência deste anúncio. A demissão de Robert Mugabe foi conhecida durante uma reunião em Harare (capital do Zimbabué), na qual se estava a discutir a moção de destituição do líder mais velho do mundo, avança a Bloomberg.

A decisão do histórico político acontece poucos dias depois da Zanu-Pf ter ordenado a sua retirada do cargo em causa. Quatro dias antes dessa ordem do partido no poder do Zimbabué, os militares tinham colocado Robert Mugabe sob prisão domiciliária e detido vários dos seus aliados. O gatilho deste processo? A demissão de Mnangagwa por Mugabe, no início do mês.

O movimento contra Robert Mugabe resulta da confluência de duas forças que lutam pelo controlo do partido no poder: uma facção afeta a Mnangagwa e às forças militares e uma outra conhecida como Geração 40, que deseja ver Grace Mugabe (esposa do presidente demissionário) na presidência do país. A primeira acabou por sair vencedora, com Mnangagwa a tomar as rédeas do país e a ser escolhido como candidato da Zanu-Pf, nas eleições presidenciais, no próximo ano.

O que deixa Mugabe?

Robert Mugabe deixa o Zimbabué com um legado de desastres: 95% da população ativa está desempregada, escasseia a comida e a água, as infraestruturas estão em péssimo estado. Filho de um carpinteiro e de uma catequista, o líder demissionário entrou na política, quando estava a estudar na Universidade Fort Hare, na África do Sul. Em 1963, Mugabe ajudou a fundar a União Nacional Africana (Zanu) e em 1980 inaugurou o cargo de primeiro-ministro do Zimbabué.

Aos 39 anos, Mugabe foi encarcerado por apelar ao fim do Governo minoritário de Ian Smith e, consequentemente, acabou por passar 11 anos em prisão, período durante o qual se formou em Direito, Economia e Educação. Um ano depois de ser libertado, o presidente demissionário fugiu para Moçambique, onde liderou a Zanu, que controlava duas das maiores guerrilhas, da Rodésia.

Enquanto primeiro-ministro, Robert Mugabe advocou, efemeramente, a reconciliação. Em 1982 (dois anos depois de assumir o cargo) a violência tomou, contudo, conta do país, quando Mugabe acusou o seu parceiro da coligação de conspiração, no sentido de o destituir. Seguiu-se, assim, uma forte repressão militar, que custaria a vida a 20 mil pessoas.

O ciclo de violência do seu Governo conquistou um novo pico em 2000, quando o Presidente demissionário permitiu que os seus apoiantes tomassem as propriedades dominadas pela população branca, destruindo as produções agrícolas e promovendo a fome. Em 2005, Mugabe voltou à carga com o despejo das favelas do Zimbabué, retirando os tetos a 750 mil cidadãos.

Adeus, Mugabe. Olá, Mnangagwa

Conhecido como “crocodilo” (nome de guerrilha), Emmerson Mnangagwa já passou pelos cargos de ministro da Justiça e da Defesa. Ao lado de Robert Mugabe, o novo líder interino do Zimbabué ganhou os títulos de calculista, implacável e dissimulado. No currículo, Emmerson tem 50 anos de política e guerrilha.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zimbabué. Robert Mugabe demite-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião