Número de turistas chineses dispara 40%. Hotéis preparam-se para mais

O Governo quer manter este ritmo de crescimento e, para isso, vai promover um intercâmbio para que os hotéis nacionais recebam estagiários de Macau, mais preparados para acolher este mercado.

O mercado chinês está a disparar e o Governo quer que assim continue. Para isso, vai trazer estagiários de Macau para os hotéis nacionais, para receber melhor este mercado. A informação foi avançada, esta quinta-feira, pela secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, durante a 43ª edição do Congresso Nacional da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), que este ano decorre em Macau.

“Vou ter reuniões com o Instituto de Formação para dinamizarmos o intercâmbio de alunos e de estagiários, numa lógica de levarmos estagiários de Macau para os hotéis portugueses que querem receber chineses, para ajudarmos a capacitar a nossa oferta a estar preparada para receber melhor este mercado chinês”, explicou a secretária de Estado aos jornalistas, à margem do congresso.

A medida surge numa altura em que o mercado chinês está a disparar, depois de ter sido lançada a rota direta Portugal-China. Ao todo, entre janeiro e setembro, Portugal acolheu 191 mil hóspedes chineses, um aumento de 40% face ao mesmo período do ano passado e um número que supera aquele que tinha sido alcançado no conjunto de 2016. No ano passado, antes de ter sido lançada a rota direta, o mercado chinês tinha aumentado apenas 18%.

"Temos de estar presentes neste mercado e temos de garantir a capacitação da nossa oferta, para saber receber os chineses.”

Ana Mendes Godinho

Secretária de Estado do Turismo

É “um crescimento histórico” daquele que o Governo considera ser “o mercado do futuro”, a par do mercado indiano. “Temos de estar presentes neste mercado e temos de garantir a capacitação da nossa oferta, para saber receber os chineses”, sublinhou Ana Mendes Godinho. Para já, há 14 hotéis nacionais interessados em receber estes estagiários, adiantou a secretária de Estado.

O objetivo, acrescenta a governante, é “manter este nível de crescimento” nos próximos anos e, para isso, para além de trazer estagiários chineses para a hotelaria nacional, o Governo está a fazer uma promoção conjunta com Espanha. “Estamos a dizer a este mercado que, indo à Península Ibérica, têm a possibilidade de conhecer dois países diferentes, com uma vantagem acrescida que é o voo direto, que permite que entrem ou saiam da Península Ibérica via Portugal. Isto muda completamente o paradigma da operação, porque deixamos de estar dependentes e condicionados da entrada e saída dos aeroportos em Espanha”, concluiu.

A jornalista viajou a Macau a convite da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de turistas chineses dispara 40%. Hotéis preparam-se para mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião