Inquérito: maioria é contra o fim dos duodécimos no setor privado

  • Rita Frade e Marta Santos Silva
  • 25 Novembro 2017

Depois de ter sido aprovada a proposta que põe fim ao pagamento dos subsídios em duodécimos também no privado, o ECO decidiu lançar o debate e descobrir a opinião dos seus leitores sobre este tema.

Foi aprovada na quinta-feira, no Parlamento, a proposta do PCP que põe fim ao pagamento dos subsídios de Natal e de férias em duodécimos também no privado. A medida, aprovada com os votos favoráveis do PCP, PS, BE e CDS (o PSD votou contra), entrará em vigor já a partir de janeiro de 2018, sendo que poderá haver exceções.

Até aqui os trabalhadores do setor privado podiam optar por receber metade do subsídio de férias e de Natal ao longo de 12 meses ou por inteiro, nas datas habituais.

Com esta proposta (agora aprovada), o PCP tem como objetivo de equiparar o setor público ao privado: “No ano de 2018, os subsídios de Natal e de férias a pagar aos funcionários públicos e pensionistas, passa a ser feito por inteiro. Subsistir esta regra para o setor privado, cria desigualdades no tratamento dos trabalhadores”.

A propósito deste tema, o ECO decidiu lançar um debate nas redes sociais (Facebook e Twitter) para saber qual era a opinião dos seus leitores: concorda ou não com o fim dos duodécimos no setor privado?

Ambos os inquéritos, tanto no Facebook como no Twitter, obtiveram resultados muito negativos. No Facebook, onde 194 pessoas votaram, 68% discordam da decisão do Parlamento de retirar os duodécimos do setor privado. No Twitter, onde houve menos votos — apenas 82 — o “Não” venceu com 78%.

Notícia atualizada às 18:00 de sábado com o resultado do inquérito.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inquérito: maioria é contra o fim dos duodécimos no setor privado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião