Quebramar comprada por empresários brasileiros. Criação de 150 empregos na calha

  • ECO
  • 27 Novembro 2017

Os credores da dona da Lanidor deram o seu aval à compra da empresa falida pelos empresários Cláudio Haber Laranjeira e Maurício Espíndola Dias. A operação dependia do voto do Novo Banco.

A Quebramar já tem um novo dono. A empresa insolvente foi vendida a dois empresários brasileiros, tendo a operação sido aprovada pelos credores da empresa insolvente que se reuniram em assembleia nesta segunda-feira, segundo avança o Jornal de Negócios. A operação só foi bem-sucedida em resultado do aval do Novo Banco que é o seu principal credor.

De acordo com o Negócios, os empresários brasileiros Cláudio Haber Laranjeira e Maurício Espíndola Dias são os novos donos da cadeia de vestuário. A empresa tem mais de 30 milhões de euros em dívidas, sendo que já passou por um Processo Especial de Revitalização (PER) que falhou precisamente pelo chumbo do Novo banco que detém 83% dessas dívidas, já que as negociações relacionadas com o reconhecimento dos créditos não correram da melhor forma.

Contactado pelo Negócios, José Regojo, administrador da Terra Mítica, criada para gerir e expandir a Quebramar em território nacional e internacional, já teria dito que ter ouvido falar que a empresa “foi vendida a um grupo brasileiro”.

De acordo com o jornal, os empresários brasileiros pretendem criar 150 empregos.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quebramar comprada por empresários brasileiros. Criação de 150 empregos na calha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião