A menos de um ano do Mundial, FIFA não encontra patrocinadores

  • Juliana Nogueira Santos
  • 28 Novembro 2017

A Federação Internacional de Futebol não está a conseguir atrair empresas para patrocinar o campeonato do mundo de futebol. A culpa é das suspeitas de corrupção.

Sendo o futebol o ‘desporto rei’, milhões de empresas querem ver o seu nome ao lado das grandes caras da modalidade, como Cristiano Ronaldo ou Lionel Messi. Seria de esperar que, a um ano de começar o Campeonato Mundial de 2018, os patrocinadores estivessem todos escolhidos — e as receitas arrecadadas. Mas os mais recentes golpes na reputação da FIFA não estão a facilitar o trabalho.

A três dias do sorteio da fase de grupos, a FIFA está com dificuldades em encontrar patrocinadores, o que se traduzirá numa diminuição significativa dos lucros.O New York Times avança como principais motivos para esta falta de interesse por parte das marcas o envolvimento da instituição em processos judiciais e suspeitas de corrupção.

Seis meses antes do sorteio final do Mundial de 2014, a FIFA vinha a público afirmar que não havia mais espaço para patrocinadores. Este ano, os “slots” de patrocinadores oficiais já foram ocupados por empresas russas, chinesas e do Qatar, mas apenas uma das vinte vagas para patrocinadores regionais foram adquiridas.

O envolvimento da FIFA num processo judicial por subornos que põe três antigos responsáveis no banco dos réus, o afastamento de Sepp Blatter em 2015 pelas mesmas acusações e as suspeitas que continuam a pairar sobre a instituição serão os principais motivos pelos quais as empresas ocidentais — norte-americanas e europeias — se estão a afastar dos grandes cartazes da FIFA.

Em declarações ao jornal, Patrick Nally, gestor de patrocínios e responsável pela primeira estratégia de marketing internacional da FIFA, não se mostra surpreendido com esta falta de procura. “Não é surpreendente porque tem sido, e continua a ser, uma marca tóxica“, considera. “A não ser que seja chinesa ou de algum país parecido, onde as notícias do processo e as ligações à corrupção não são levadas tão a sério, nenhuma empresa vai considerar o envolvimento com a FIFA seguro.”

Os lucros com patrocínios no ano de 2014, em que o Brasil recebeu o campeonato do mundo, totalizaram os 1,6 mil milhões de dólares, mais 650 milhões de dólares que no ano de 2010. Se a situação assim se mantiver, a FIFA pode esperar resultados bem mais modestos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A menos de um ano do Mundial, FIFA não encontra patrocinadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião