Reino Unido acorda “conta de divórcio” com a UE

  • ECO
  • 28 Novembro 2017

O Reino Unido admitiu pagar os 100 mil milhões exigidos pela UE para cumprir com os compromissos que já tinha assumido.

O Reino Unido já chegou a acordo com a UE. O que não é certo é o valor que o país vai assumir para cumprir com as obrigações, mas a fatura poderá ir até aos 100 mil milhões de euros, segundo vários diplomatas que acompanham as negociações, avança o Financial Times (conteúdo em inglês/acesso pago). O Governo britânico para já não confirma nenhuma destas informações, que ainda não são oficiais.

O valor pode variar em função do desenrolar das negociações. Além disso, a fatura é para ser paga ao longo de várias décadas. Assim, em termos líquidos, o Reino Unido poderá vir a pagar metade dos 100 mil milhões. O anúncio oficial deverá ser feito por May ao longo da próxima semana.

Apesar de aceitar como teto a fasquia dos 100 mil milhões, o antigo Estado-membro da UE está a pressionar para que a fatura desça aos 40 ou 45 mil milhões, tendo em conta as receitas e deduções feitas durante os anos em que pertenceu à comunidade. O Reino Unido defende também que os pagamentos sejam calculados ao longo do tempo, à medida que obrigações específicas vão expirando.

No final, o acordo deverá garantir que a União Europeia não sinta os efeitos da saída do Reino Unido nas contas correntes. Existem outros pontos que ainda não se encontram esclarecidos, nomeadamente os direitos dos cidadãos de Estados-membros residentes no Reino Unido. Também está por decidir a gestão da fronteira entre a Irlanda do Norte, parte do Reino Unido, e a República da Irlanda, que continua a ser parte da UE.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido acorda “conta de divórcio” com a UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião