A partir de agora, a Uber pode levar-lhe o jantar a casa

Aplicação UberEATS chega à capital portuguesa para permitir aos utilizadores encomendarem uma refeição através de um clique. McDonalds é um dos parceiros da app.

Lisboa é a 200ª cidade do mundo a ter o serviço de entrega de refeições UberEATS.Uber

O serviço da UberEATS, considerado a “galinha dos ovos de ouro” da empresa multinacional, chegou a Lisboa esta terça-feira. A entrega das refeições, feita num período máximo de trinta minutos, contempla uma área de serviço entre Alcântara e a Penha de França, e desde a Baixa a Telheiras. O facto de Lisboa ser a 200ª cidade a acolher o serviço é, explica Rui Bento, responsável da Uber no mercado ibérico, uma demonstração de “mais um reforço da Uber no mercado português”.

É uma forma de fazer a “ligação entre a cultura gastronómica e a versatilidade de um serviço da Uber”, explica o responsável. A primeira versão da app inclui 90 restaurantes de Lisboa, entre os quais a McDonald’s que, pela primeira vez, conta com a entrega das suas refeições onde quer que os clientes estejam. Na lista estão também nomes como Go Natural, Aruki, Osteria e Pistola y Corazón. Os pedidos têm uma garantia de período de entrega de 30 minutos.

"Com o UberEATS pode ter a comida que deseja, onde quiser e com entrega à velocidade da Uber.”

Rui Bento

Diretor-geral da Uber Ibéria

A utilização do serviço requer o download da aplicação UberEATS ou o acesso ao site e vai estar disponível apenas em algumas zonas da cidade, durante a fase piloto. O interface conta com filtros de preço, de tipo de refeição e também com recomendações com base num algoritmo que estuda as preferências dos utilizadores. Feito o pedido, o utilizador tem acesso ao tempo estimado até à entrega.

“Vamos começar por cobrir grande parte da cidade de Lisboa para garantir qualidade e velocidade do serviço. Mas certamente que chegaremos a novas áreas em redor da cidade”, esclarece Rui Bento, diretor-geral da Uber para a Ibéria, em conversa com os jornalistas.

O valor da refeição é pago segundo a carta de cada restaurante, preço ao qual acresce a tarifa fixa de 2,90 euros. Neste caso, a Uber cobra uma taxa de serviço aos parceiros cujo valor não foi revelado por Rui Bento mas que é calculado com base no valor total do pedido.

McDelivery à boleia da Uber

McDonalds é um dos primeiros 90 parceiros da UberEATS em Lisboa.Uber

Com o lançamento do novo serviço UberEATS, a McDonalds aproveita para implementar o McDelivery em Lisboa. O serviço está agora disponível em 14 restaurantes McDonald’s na cidade de Lisboa.

“Era um serviço que já nos era pedido há muito tempo pelos nossos consumidores e que agora, com o UberEATS, estamos em condições de poder fazê-lo de uma forma rápida, em que garantimos a qualidade e que a comida chega quentinha”, explica Inês Lima, diretora de marketing da McDonalds, em declarações ao ECO.

A Uber é o nosso parceiro preferencial no mundo. A McDonalds já tem 6.000 restaurantes e já temos mais de 20 países com McDelivery. Tem funcionado muito bem, tem sido um grande sucesso por ser muito conveniente em determinadas alturas. Os resultados que temos de outros países são muito encorajadores.

Inês Lima

Diretora de marketing da McDonalds Portugal

Em 2014, a Uber criou a app para o serviço Fresh, que garantia uma seleção “não muito boa” de refeições entregues em dez minutos em Los Angeles, escolhida como cidade-piloto.

Neste momento, o serviço UberEATS está em 29 países nos cinco continentes, e abrange 199 cidades e um tempo médio de entrega das refeições de 30 minutos. “Juntar o gosto de tecnologia de Lisboa com a paixão pela comida faz-nos estar muito entusiasmados com este lançamento”, disse Filip Nuytemans, general manager da UberEATS para a Europa.

E os restaurantes?

Os parceiros da Uber neste serviço podem gerir a encomenda através de um interface, que permite aos restaurantes acompanharem a entrega “e garantirem que prestam os melhores serviços aos seus clientes”, explica Rui Bento.

A rede de restaurantes conta com 90 referências numa primeira fase mas Rui Bento afirma que a rede deverá aumentar em breve. Em Lisboa, a entrega deverá ser feita primordialmente através de scooters.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A partir de agora, a Uber pode levar-lhe o jantar a casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião