CDS-PP sobre o OE: “Viver de fezadas corre mal”

  • ECO
  • 29 Novembro 2017

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, criticou o Orçamento de Estado para o próximo ano por "dar com uma mão e tirar com outra", embora ressalve que "o CDS nunca chamou o diabo".

Nuno Magalhães, líder parlamentar do CDS-PP, criticou esta quarta-feira o Orçamento do Estado para 2018 por falta de gradualismo na recuperação de rendimentos, que poderá deixar o país em maus lençóis. Entrevistado na SIC Notícias, o deputado afirmou que “não estamos a ser preventivos como deveríamos ser”.

Relembrado das suas declarações, perante o primeiro Orçamento aprovado por este acordo parlamentar, de que se tratava do Orçamento da “fezada”, Nuno Magalhães afirmou que “a fezada já não está assim tão forte”, referindo-se à conjuntura internacional, e acrescentou: “Foi de fezada em fezada, e com muita festa, que chegámos à situação em que nos encontrámos em 2010”.

No entanto, ressalvou, não está a fazer uma previsão como a do líder do PSD Pedro Passos Coelho. “Eu não estou a chamar o diabo, o CDS nunca chamou o diabo”, afirmou. “Mas viver de fezadas corre mal”.

“Este Orçamento é manifestamente anti-empresário, anti-empresas”, afirmou o deputado. “Este Orçamento parte de um pressuposto ideológico de que as empresas são contrárias aos trabalhadores”. Criticou ainda a velocidade da recuperação de rendimentos realizada por este Governo, que deveria ser mais gradual, assim como as cativações.

“As cativações sempre se fizeram, e bem, mas não no valor de 30%”, declarou. “Em 17 anos, na ordem dos 30% houve este governo e o outro governo”, o de José Sócrates, exemplificou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS-PP sobre o OE: “Viver de fezadas corre mal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião