Como é o Homem Sonae? Belmiro identificou os 10 princípios em 1985

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 29 Novembro 2017

O Homem Sonae "ou é líder ou candidato a líder". É este o primeiro dos 10 princípios escritos por Belmiro de Azevedo e apresentados a 70 quadros.

No dia 25 de maio de 1985, perante 70 quadros, Belmiro de Azevedo definiu o que considerava fundamental para a formação de uma Cultura Sonae e para o perfil do Homem Sonae. A 18 de agosto de 2009 — com a empresa a celebrar 50 anos de vida –, o gestor nota que não faria grandes alterações, exceto uma: “em vez do Homem Sonae, ter-se-ia que dizer o Homem e a Mulher Sonae”. Belmiro de Azevedo morreu esta quarta-feira, aos 79 anos.

Recuando a 1985, Belmiro fala de liderança. “Os verdadeiros líderes são-no naturalmente. Não são impostos, impõem-se. São seguidos com facilidade por quem os rodeia. Têm um espírito de missão, uma visão e, de facto, o seu contributo para o bem-estar das sociedades onde se inserem é largamente superior às promessas utópicas de líderes políticos, que pugnam por um igualitarismo ultrapassado e insistem em dogmas mais ou menos obsoletos e que já historicamente foram arquivados para que conste”. Palavras de Belmiro de Azevedo, a 25 de maio de 1985, citadas no livro “Sonae 50 anos à frente”.

Assumindo que “um líder é um alvo a abater”, o empresário frisa: “Para ser líder é preciso poder sê-lo mas também é preciso querer sê-lo” e a opção está “aberta a todos”. “Espero que a maioria dos que hoje aqui estão sejam já (ou se sintam com potencial para vir a ser) parte da elite que venho referindo”, dizia então Belmiro, aconselhando os que não pensam desta forma a seguirem pela via da ‘auto-exclusão’, que considerava ser “o caminho mais honesto”. Sem querer criar dogmas, “sempre perigosos”, Belmiro elencou então o que considerava fundamental para a formação da Cultura Sonae e para o perfil do Homem Sonae.

Como é então o Homem Sonae?

  1. O Homem Sonae ou é líder ou candidato a líder.
  2. O homem Sonae é um homem culto, evoluindo do estágio de competência técnica para o estágio de homem culto em geral.
  3. O Homem Sonae deve ter disponibilidade temporal e resistência física para vencer períodos mais intensos de carga de responsabilidades.
  4. O Homem Sonae deve ter a disponibilidade mental para aceitar críticas vindas de superiores, pares ou subordinados. Deve reagir, replicar, mas saber evitar a retaliação sistemática.
  5. O Homem Sonae deve ter em alto apreço o trabalho dos seus subordinados, cuidando permanentemente para que as condições de trabalho e o grau de conhecimento de todos os trabalhadores sejam continuamente melhorados. Sendo chefe, tem que ser também o colega estimado.
  6. O Homem Sonae deve ser conhecido interna e externamente pela verticalidade do seu caráter.
  7. O Homem Sonae deve ter elevados critérios de exigência pessoal, com forte devoção às suas tarefas, embora procurando sempre um justo equilíbrio com outras atividades (desportivas, associativas e apoio à comunidade) de modo a que possa naturalmente manter um correto balanço entre os seus deveres para consigo próprio, para com a família, para com a empresa e para com a comunidade.
  8. O Homem Sonae deve ter um código ético e deontológico rigoroso.
  9. O Homem Sonae tem que aceitar o desafio da competição interna e externa, lutar por todos os lugares disponíveis que lhe sejam eventualmente oferecidos, mas também aceitar perder sem ressentimento, daí colhendo ensinamentos para se apresentar em melhores condições numa segunda oportunidade. A disponibilidade permanente para assumir novas funções é condição fundamental para um enriquecimento profissional progressivo.
  10. O Homem Sonae que procura a excelência, fá-lo pelo somatório das boas decisões que vai tomando diariamente e exclui liminarmente êxitos parciais, comportamentos superficiais e atos de fachada. O Homem Sonae tem que ser adulto no pensamento, firme, sem ser duro, na decisão, corajoso, sem ser aventureiro, na ação.

E o que é fundamental para a formação de uma Cultura Sonae?

  1. A Sonae recusa liminarmente o modelo “grande empresa” para se assumir como um conjunto de pequenas e médias empresas interligadas em áreas estratégicas de negócios.
  2. A Sonae aposta na descentralização da decisão com responsabilização do gestor, como condição fundamental para um funcionamento eficiente, motivação de quadros e desenvolvimento de carreiras profissionais.
  3. A Sonae aceita que o controlo de gestão, a coordenação financeira e a auditoria central terão a função de cimento ligante que há-de transformar o grupo de empresas numa entidade empresarial e económica de relevo nacional, cujo prestígio a deve impor junto das instituições financeiras, dos organismos oficiais e do Governo.
  4. A Sonae decide inequivocamente que procurará ter o maior número de líderes possível, desenvolvendo oportunidades de formação profissional e dando responsabilidades de gestão global a gestores cada vez mais jovens.
  5. A Sonae decide, também inequivocamente, que procurará contratar os trabalhadores com a melhor formação possível, reciclar os existentes que o pretendam, de modo a aproximar-se do objetivo ideal de utilização máxima da capacidade intelectual do universo de todos os seus colaboradores.
  6. A Sonae compromete-se a uma política de gestão de excelência procurando altos objetivos de qualidade, produtividade, inovação e competitividade, de modo a aceitar o desafio da universalização dos mercados.
  7. A Sonae recusa o conforto da empresa rica, conforto que amolece e corrói uma organização. Mesmo as empresas que geram fundos substanciais terão que manter critérios de rigor nos gastos, seleção criteriosa de projetos, análise profissional de situações, ação rápida na correção de desvios.
  8. A Sonae assume a diversificação como modelo empresarial adequado ao mercado português e também internacional, sabendo que isso impõe uma política de recursos humanos adequada para permitir, a gestores versáteis, uma rápida intervenção em setores menos conhecidos.
  9. A Sonae terá relações de total transparência com os seus parceiros de negócios (clientes, fornecedores, bancos, etc.) porque acredita que um clima de confiança mútua introduz benefícios de longo prazo muito mais compensadores do que o lucro fácil de operações de oportunidade.
  10. A Sonae decide querer ser uma empresa para a Europa, para o mercado, para o século XX, evoluindo para o conceito de empresa moderna, de capital aberto, tendencialmente pulverizado, procurando ser um importante agente económico e financeiro que quer dar a Portugal uma contribuição de qualidade e aumento de riqueza.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como é o Homem Sonae? Belmiro identificou os 10 princípios em 1985

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião