STE pede “reforço de pessoal” para além da Educação e Saúde

  • Lusa
  • 29 Novembro 2017

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado disse que, além da Educação e da Saúde, "há áreas que carecem de reforço de pessoal" na Administração Pública.

A presidente do STE disse esta quarta-feira que além das áreas da Educação, da Saúde e da vigilância das florestas, “há outras que carecem de reforço de pessoal” na Administração Pública, depois de anos de congelamento de admissões.

Helena Rodrigues, presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) falava aos jornalistas à saída de uma reunião no Ministério das Finanças com a secretária de Estado do Emprego Público, Fátima Fonseca, sobre a política de admissões no Estado. A reunião foi “cumprir um ponto do compromisso assumido para a negociação de 2017”, disse a sindicalista.

“Foi referido que, eventualmente, haverá áreas mais críticas para a contratação de pessoal e nós sabemos quais são, elas vêm referidas no Orçamento do Estado: Saúde, Educação e vigilância das florestas. Mas também outras áreas com certeza carecem de reforço de pessoal, porque muitas pessoas saíram nos últimos anos, pois estavam congeladas as admissões”, adiantou Helena Rodrigues.

Segundo a presidente do STE, na reunião foi também abordado o descongelamento de carreiras na administração pública, que será feito de forma faseada em dois anos, a partir de janeiro. “Em concreto, só vamos perceber esses efeitos em janeiro, quando as pessoas começarem a receber a primeira remuneração de 2018 e ver afinal o que resultou o descongelamento”, afirmou, defendendo que “devem ser respeitadas as regras prórpias de cada carreira”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

STE pede “reforço de pessoal” para além da Educação e Saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião