Catalunha: Espanhóis rejeitam reformas à Constituição que permitam referendo à independência

  • Lusa
  • 3 Dezembro 2017

Uma sondagem indica que 68,5% dos inquiridos acreditam que os partidos políticos não vão chegar a um acordo sobre como modificar a Carta Magna.

Seis em cada dez espanhóis consideram necessário reformar a Constituição, mas a maioria dos que o defendem (63,8%) opõe-se a mudanças que permitam um referendo sobre a independência, segundo uma sondagem publicada hoje no jornal El Mundo.

A sondagem da empresa Sigma Dos, realizada a nível nacional a partir de 900 entrevistas entre os dias 23 e 29 de novembro, indica ainda que 68,5% dos inquiridos acreditam que os partidos políticos não vão chegar a um acordo sobre como modificar a Carta Magna, uma opinião partilhada sobretudo pelos eleitores do Unidos Podemos (81,2 %) e com menos de 29 anos (84,1 %).

Apenas 19% dos inquiridos confia que os partidos políticos vão alcançar um consenso que permita reformar a Constituição, segundo a sondagem da Sigma Dos.

Os que nas últimas eleições votaram no Podemos são os que mais apoiam a reforma constitucional (89%) e também os que optaram pelo PSOE (75,8%), frente aos eleitores do PP, entre os quais menos de metade (48,9%) considera necessário dar esse passo.

Os eleitores do PP, PSOE e Ciudadanos são os que mais se opõem a que essa modificação inclua a autorização para convocar um referendo à independência (até 85,4% estão contra no caso do PP), enquanto 60,8% do eleitorado dos Unidos Podemos concorda que se inclua essa reforma numa nova Constituição.

A sondagem indica que 32,7% dos entrevistados são a favor que o Estado recupere as competências que hoje são geridas pelas comunidades autónomas, 27,4% querem mais autonomia para estas regiões e 20,8% preferem não fazer alterações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Catalunha: Espanhóis rejeitam reformas à Constituição que permitam referendo à independência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião