Sem ideias para o Natal? Tudo o que pode oferecer… em cartão

  • Rita Atalaia
  • 4 Dezembro 2017

Não sabe o que oferecer àquele familiar distante? Há uma solução: os cartões oferta, que permitem comprar praticamente tudo. Desde livros, a roupa, decoração e até viagens. Descubra-os.

O Natal está à porta e os subsídios já estão nos bolsos dos portugueses. É o tiro de partida para a corrida às lojas, numa tentativa de encontrar o presente ideal para familiares e amigos. Uma missão que nem sempre é fácil de cumprir. Mas há uma solução para a falta de ideias: os cartões oferta. Estes pequenos pedaços de plástico permitem oferecer tudo e mais alguma coisa.

Se antes os cartões oferta apenas se viam em algumas lojas, agora estão por todo o lado. Basta carregar com um montante em dinheiro e está pronto a ser utilizado por quem o receber. E quem recebe esta prenda pode gastá-la como quiser, podendo usar o dinheiro na totalidade ou optando por guardar uma parte para gastar mais tarde. Livros, música, jogos, tecnologia ou uma estadia através do Airbnb, atualmente tudo se pode oferecer em cartão. O ECO selecionou um conjunto de cartões para oferecer neste Natal.

Jogos e apps

As principais marcas de consolas já aderiram à moda dos cartões oferta, que podem ser adquiridos em qualquer loja física ou online. No caso da Xbox, é possível encontrar nas lojas cartões de três e 12 meses, que consistem num código para se comprar uma subscrição Xbox Live Gold para utilizar na consola. Este tipo de cartão, que não permite a compra de outros itens, disponibiliza jogos gratuitos e vários descontos na Xbox One e na Xbox 360. O mesmo acontece na Playstation, onde a isto se junta a possibilidade de armazenar os dados na cloud.

A Nintendo já é um pouco diferente. A empresa vende cartões, mas em vez de prazos, terá de escolher o valor a oferecer. A oferta varia entre 15 e 25 euros e permite a compra de jogos e outros conteúdos na Nintendo eShop da Wii U e da família de consolas Nintendo 3DS ou no site oficial da Nintendo. Basta introduzir o código que vem no cartão nestas plataformas para adicionar o dinheiro ao seu saldo.

Mas há outras opções. Conhece alguém que seja viciado no jogo Candy Crush do Facebook? É que a rede social também vende cartões que permitem fazer compras nos jogos e aplicações. O valor varia entre os dez e 20 euros. A Apple Store e a Google Play também vendem cartões semelhantes que permitem ter acesso a aplicações. Os valores que podem ser oferecidos variam entre os 15 e os 50 euros.

Filmes, música, livros e cultura

Para os fãs de música e livros, estes cartões da Apple Store e Google Play também podem ser uma boa opção. Mas não só. Há ainda os cartões do Spotify, que podem custar sete ou 21 euros e podem ser usados para pagar a subscrição numa conta premium da plataforma de streaming de música. Ou seja, o utilizador pode ouvir música mesmo sem ter acesso à internet, entre outros benefícios.

Se tiver de oferecer uma prenda a uma familiar ou amigo que esteja sempre a par do filme mais recente, há ainda os cartões do Netflix. O cartão presente, que pode ser de 15 ou 25 euros, serve para pagar uma assinatura que vai dar acesso a todos os filmes, séries e documentários. Mais importante: não tem validade. Permite aceder ao serviço enquanto durar o saldo do cartão. E pode ser utilizado em qualquer país da Zona Euro.

Para quem adora um bom espetáculo, há o cartão oferta CCB, que pode ser comprado tanto no centro cultural como também no site da ticketline. Os valores variam entre os dez e os 20 euros e podem ser descontados em produtos na bilheteira e em bilhetes para os espetáculos. A validade deste cartão é de seis meses. O Coliseu de Lisboa também aderiu aos cartões oferta, válido para eventos que estejam na Agenda do Coliseu. Os preços vão dos cinco aos 30 euros.

Tecnologia

Tem um geek na família? Os cartões também chegaram à tecnologia. Na Fnac, onde pode comprar desde telemóveis, computadores a tablets, mas também livros e música, estes cartões têm de ser comprados na loja física e podem ser utilizados total ou parcialmente. Já os carregamentos começam nos dez e vão até aos 500 euros.

O mesmo acontece na Worten. Neste caso, o cartão é válido nesta loja mas também noutras do grupo: Worten Mobile, Continente, Mo, Zippy, Sportzone, GeoStar e Wells, com carregamentos desde cinco euros. Rádio Popular ou Media Markt são outras das lojas onde pode adquirir estes cartões.

Há ainda as retalhistas online, como é o caso da Amazon. Através desta plataforma pode oferecer um cartão no mínimo de um euro e máximo de 1.000. E são personalizáveis, podendo usar a imagem que melhor se enquadra. Uma prenda que pode enviar por e-mail no próprio momento ou agendar para quando achar mais adequado.

Roupa, perfumes e decoração

Roupa é um dos presentes mais comuns no Natal. Mas nem sempre é fácil acertar nos gostos, nem nos tamanhos. Daí que as lojas estejam a apostar nos cartões. E o grupo Inditex é um dos maiores impulsionadores. Na Zara, o cartão é enviado por correio para o endereço indicado ou para a loja que for indicada. E é válido em todo o país e no site da retalhista. Para além disso, é válido durante três anos e pode ser carregado com, no mínimo, 25 euros e, no máximo, 300 euros. Mas não é a única loja do grupo com cartões: Oysho, Pull&Bear ou Bershka são outras opções.

Se prefere oferecer um perfume, vá até à Perfumes & Companhia. Nesta loja vai encontrar cheques oferta que podem custar entre cinco e 25 euros, conforme o que quiser gastar no seu presente. Mas atenção que este cartão apenas pode ser usado nas lojas físicas e não no site.

Se roupa ou perfumes não forem a escolha ideal, que tal oferecer uma peça decorativa para a casa? Ikea ou Leroy Merlin são algumas das lojas que têm à venda cartões oferta. Na loja sueca, o cartão pode ser utilizado uma ou mais vezes no pagamento de produtos em qualquer loja em Portugal ou no estrangeiro. No Leroy, os valores variam entre os 15 e os 50 euros e os cartões têm validade de um ano.

Brinquedos

Muitas crianças na família? Não há problema. Até nesta categoria encontra cartões oferta. Se for ao Toys “R” Us, tem a opção de carregar com um valor que vai desde apenas cinco euros até 250 euros. E os cartões podem ser personalizados com uma imagem à sua escolha. Pode ser usado tantos nas lojas físicas como no site.

Há também quem adore a magia da Disney, sejam crianças ou graúdos. No Centro Comercial Colombo, em Lisboa, e no NorteShopping, no Porto, terá à sua disposição cartões oferta da Disney, que permitem comprar brinquedos, peluches, canecas e muitos outros produtos com personagens dos filmes de Walt Disney.

Supermercados

Os brinquedos também podem ser encontrados nos supermercados, como é o caso do Continente ou Jumbo. Mas nestas grandes superfícies comerciais encontra muito mais do que apenas brinquedos. Desde produtos alimentares a utensílios para a casa, passando por decoração até aos livros, tudo pode ser comprado… em cartão. Também aqui tem cartões oferta carregáveis com o valor que mais se adequar.

No Continente, o Cartão Dá pode ser usado no supermercado, mas também na Worten, Worten Mobile, Mo, Zippy, Sportzone, GeoStar e Wells. Os carregamentos variam entre os cinco e os mil euros e podem ser descontados nas mais de 1.100 lojas em Portugal e Espanha. A validade é de um ano.

No Jumbo, deve dirigir-se ao balcão de acolhimento ao cliente e pedir um cartão. No caso da modalidade não recarregável, a validade é de 12 meses. Mas aumenta para 24 meses se for carregável. Os montantes para carregamento são, no mínimo, cinco euros e, no máximo, de 250 euros para o cartão não recarregável e de 2.500 euros por ano para o recarregável.

Viagens e experiências

Está à procura de uma prenda para um aventureiro? Nada melhor do que oferecer ou ajudar a pagar uma viagem ou uma estadia. A plataforma de alojamento local Airbnb permite oferecer cartões, de 25 a 500 euros. O saldo é aplicado automaticamente quando a viagem é reservada. Mas a estadia tem de ser curta. Nas reservas de longa duração (28 noites ou mais), não são utilizáveis.

As companhias aéreas também aderiram a esta moda. Na Ryanair, pode oferecer cartões personalizados com mensagens como “Feliz Natal”, “Por favor, vai” ou “Achei que gostarias de uma pausa”. Neste caso, pode escolher entre dar 25 ou 200 euros em cartão, que será enviado por e-mail ao destinatário. Serve para pagar voos, seguros de viagem, impostos, taxas e encargos associados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem ideias para o Natal? Tudo o que pode oferecer… em cartão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião