António Saraiva acusa CGTP de “luta político-partidária” na Autoeuropa

  • ECO
  • 6 Dezembro 2017

O presidente da CIP, António Saraiva, afirma que se instalou uma guerra na fábrica de Palmela "de cariz político-sindical".

António Saraiva, presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, acusa a CGTP de implantar “um vírus na Autoeuropa”. Em entrevista ao jornal i, o empresário vai mais longe e refere que a confederação sindical está “a provocar uma luta político-partidária desnecessária”. As declarações surgem após os trabalhadores da fábrica de Palmela terem chumbado o pré-acordo para os novos horários de trabalho.

Em causa está a estipulação de um plano extraordinário de trabalho para os sábados entre a 5ª e a 33ª semana do próximo ano. A remuneração dos sábados deixa de ser paga como trabalho extraordinário, e passa a haver um regime de laboração contínua, tornando o novo acordo um dos alvos de contestação dos trabalhadores.

O presidente da CIP pede que “os trabalhadores tenham maturidade para perceber o que é mais importante para eles e para o país, de forma a ultrapassarem esta crise” e apela a que “não extremem relações”.

António Saraiva sublinha que para além da Autoeuropa há “um conjunto de empresas-satélite” que também são afetadas pela instabilidade.

Quanto ao Orçamento do Estado para o próximo ano, o líder da CIP afirma que o documento “cria expectativas para as famílias, mas cria desilusão e deceção nas empresas, porque estas esperavam deste Orçamento alguma melhoria, desde logo fiscal”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Saraiva acusa CGTP de “luta político-partidária” na Autoeuropa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião