Prova dos 9: Novo acordo na Autoeuropa seria ainda pior?

  • Marta Santos Silva
  • 30 Novembro 2017

Os trabalhadores rejeitaram em julho o pré-acordo da Comissão de Trabalhadores, e ontem votaram contra o seu substituto, que alguns diziam ser ainda pior do que o primeiro. É verdade? Compare aqui.

Os trabalhadores da Autoeuropa reprovaram em julho um pré-acordo de condições de trabalho entre a Comissão de Trabalhadores (CT) da empresa e a Volkswagen. Para a produção do novo modelo T-Roc, a empresa pretendia que os trabalhadores mudassem o seu horário para começar a incluir os sábados como dia normal de trabalho, e instituir uma jornada contínua com turnos noturnos. Na altura, os sindicatos e os trabalhadores opuseram-se ao acordo, o que levou mesmo à demissão da CT, atrasando as negociações até que uma voltasse a ser eleita e a negociar com a empresa.

Desta feita, esta quarta-feira os trabalhadores votaram um novo pré-acordo, mas alguns dizem que é ainda pior do que o original. Resultado? Os trabalhadores chumbaram também o novo pré-acordo. “As condições estabelecidas, ao contrário do que alguns pretenderam fazer crer, representavam uma melhoria para os trabalhadores em relação ao que já anteriormente tinha sido proposto e igualmente rejeitado”, referiu, em comunicado, a CT da Autoeuropa.

Para saber se é verdade, o ECO comparou os dois pré-acordos para traçar as diferenças.

A afirmação

O anterior pré-acordo era melhor sem dúvida alguma. Antes tínhamos sempre os domingos de descanso e agora não. E a compensação financeira é ainda mais baixa: 150 euros por mês a partir de Agosto [de 2018]“, criticou Isidoro Barradas, responsável do sindicato Sindel, afeto à UGT, ao Jornal de Negócios.

Os factos

Ao comparar os dois pré-acordos, um referendado entre os trabalhadores a 28 de julho e outro esta quarta-feira, 29 de novembro, quatro meses depois, uma das primeiras coisas a analisar é o modelo de trabalho proposto. Já que muitos trabalhadores criticavam o trabalho ao sábado e a jornada contínua, é interessante reparar que estes se mantêm em ambos os acordos.

  • Turnos e horários de trabalho

Em julho, lia-se no pré-acordo a ser votado que os turnos teriam ciclos de nove semanas: as primeiras três seriam seguidas à noite, e as outras seis seriam em turnos rotativos entre a manhã e a tarde. Os horários eram das 7.50 às 16.00 para a manhã, das 15.50 às 24.00 para a tarde, e das 23.50 às 8.00 para a noite.

No pré-acordo que os trabalhadores votaram esta quarta-feira, os horários são os mesmos, excetuando que não há horário noturno ao fim de semana. No entanto, a rotação acontece semanalmente entre os turnos da manhã, da tarde e da noite.

  • Dias de trabalho e descanso

No acordo original, a fábrica funcionaria de segunda a sábado, com o domingo como dia de folga garantida. Cada trabalhador teria cinco dias de trabalho semanais, com folgas rotativas. De três em três semanas, haveria folgas consecutivas, ou sábado e domingo, ou domingo e segunda-feira.

No segundo pré-acordo, a Comissão de Trabalhadores e a empresa acordaram que, a partir do segundo semestre do próximo ano, seria implementada uma quarta equipa juntar-se-ia às três existentes para “a introdução de um modelo de trabalho de laboração contínua”. Haveria duas folgas consecutivas, rotativas, mas o sábado e o domingo passam a ser dias de trabalho, em vez de apenas o sábado como no acordo anterior.

  • Período de transição

No pré-acordo de julho não existia referência a um período transicional, que vinha descrito em detalhe no novo pré-acordo. Este novo documento refere-se ao período de 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2018, mas com dois modelos, em duas fases distintas. A primeira, para desde fevereiro até ao verão, representa um horário de trabalho semanal de segunda a sexta, com trabalho extraordinário a prestar ao sábado. A cada trabalhador caberiam, em média, dois sábados por mês, seja no turno da manhã, seja no turno da tarde. Nesta fase, os turnos da noite só funcionariam aos dias de semana. Na segunda fase, a implementar depois da pausa do verão, começa a laboração contínua, com trabalho todos os dias incluindo os fins de semana.

  • Remunerações adicionais

O pré-acordo reprovado em julho propunha uma remuneração adicional de 175 euros mensais pela passagem à laboração contínua, com o cumprimento de turnos noturnos, assim como um acréscimo de subsídio de turno em 10%.

O novo acordo propunha que, na primeira fase, até ao verão, os trabalhadores recebessem pagamento por horas extraordinárias pelos sábados em que trabalhassem, mas daí para a frente ofereceria um pagamento mensal adicional de 150 euros por mês para aqueles que fizerem a laboração contínua — menos 25 euros por mês do que o anterior. Também não havia referência no novo acordo a qualquer acréscimo ao subsídio de turno na segunda fase do ano.

Prova dos 9

O novo acordo é diferente do primeiro, com a diferença fundamental a ser a da introdução de duas fases na transição para a laboração contínua, que só começa a ser implementada depois do fecho da fábrica no verão. No entanto, existem outras diferenças que são significativas relativamente às exigências dos trabalhadores. A compensação pela laboração contínua é inferior no novo pré-acordo em relação ao anterior, o domingo deixa de ser um dia de descanso obrigatório, e a rotação entre turnos passa a acontecer com muito mais frequência.

No entanto, apenas os trabalhadores podem decidir qual dos acordos consideram mais favoráveis. O facto de passar mais de metade do próximo ano a trabalhar sem laboração contínua e a receber horas extraordinárias pelo trabalho ao sábado poderia pesar mais para alguns trabalhadores. Quanto às folgas, por exemplo, poderia interessar mais a certas pessoas ter a garantia de duas folgas consecutivas, como surgia no novo pré-acordo, do que ter a garantia de folga ao domingo e uma outra folga rotativa que não é consecutiva em duas de cada três semanas. Assim, a conclusão possível é que depende dos trabalhadores, que acabaram por mostrar o seu desagrado ao reprovar o novo pré-acordo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Prova dos 9: Novo acordo na Autoeuropa seria ainda pior?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião