Trabalhadores da Autoeuropa voltam a chumbar acordo

Foram 63% dos trabalhadores que votaram contra o pré-acordo para os novos horários de trabalho na Autoeuropa. Mantém-se o impasse.

Os trabalhadores da Autoeuropa voltaram a chumbar o pré-acordo que visava estabelecer os novos horários de trabalho na fábrica de Palmela. De acordo com os dados da votação avançados pela RTP3, 63% dos trabalhadores rejeitaram o acordo com novos termos para trabalhar ao sábado e da laboração contínua.

Os trabalhadores da Autoeuropa iam pronunciar-se esta quarta-feira em referendo sobre o pré-acordo para os novos horários laborais negociados entre a administração e a Comissão de Trabalhadores para responder à produção do modelo T-Roc. Sendo que o pré-acordo, assinado em 20 de novembro, estabelece os termos do trabalho ao sábado e da laboração contínua (três turnos diários), que deverá ter início depois das férias de agosto de 2018.

Mas a consulta aos trabalhadores determinou um novo impasse, já que a proposta foi rejeitada tal como se antecipava, uma vez que muitos trabalhadores consideravam insuficientes as alterações negociadas pela atual Comissão de Trabalhadores, eleita em outubro. Os sindicatos já davam conta de que este novo acordo era pior do que o anterior pré-acordo.

No passado mês de julho, 74% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram um outro pré-acordo sobre os novos horários que tinha sido negociado pela anterior Comissão de Trabalhadores, a que se seguiu uma greve histórica, em 30 de agosto, a primeira por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela do grupo Volkswagen. A anterior Comissão de Trabalhadores apresentou a demissão face à rejeição do pré-acordo no referendo realizado em 29 de julho.

Este novo pré-acordo estabelece ainda que entre a semana 5 (fevereiro) e a semana 33 (agosto) haverá um período transitório, que irá permitir a adaptação da fábrica ao modelo de laboração contínua. Durante este período transitório, a distribuição do horário semanal será de segunda-feira a sexta-feira e haverá um plano extraordinário de trabalho a prestar ao sábado.

O trabalho ao sábado (e a remuneração dos sábados, que deixam de ser pagos como trabalho extraordinário), a par da laboração contínua a partir de agosto de 2018, têm sido os principais motivos de contestação por parte dos trabalhadores da Autoeuropa.

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores da Autoeuropa voltam a chumbar acordo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião