Tecnologia pressiona Wall Street. Bolsas fecham mistas

As bolsas norte-americanas encerraram mistas, numa sessão em que o setor tecnológico esteve sob especial pressão. Investidores receiam barreiras que a nova reforma fiscal possa, eventualmente, trazer.

As bolsas norte-americanas fecharam mistas esta quarta-feira, num dia em que as ações tecnológicas estiveram sob pressão e arrastaram o Nasdaq. Empresas como a Apple e a Amazon registaram perdas na ordem dos 2%, num dia que ficou ainda marcado pelas afirmações de Janet Yellen, líder da Fed, que considerou que “a expansão económica é cada vez mais geral”.

Neste contexto, o S&P 500 recuou 0,04% para 2.626.07, enquanto o tecnológico Nasdaq derrapou 1,27% para 6.824,34 pontos. Já o industrial Dow Jones fechou no verde com um pulo de 0,44%, encerrando nos 23.940,68 pontos. Em Nova Iorque, o preço do petróleo desvalorizava 1,03% para 57,40 dólares o barril à hora de fecho da sessão.

Esta quinta-feira, deverá ser votada a reforma fiscal da Administração Trump, que deverá trazer menos impostos para as empresas. A pressão sobre as tecnológicas é explicada, em parte, por receios de que uma eventual reforma fiscal possa, contudo, levantar novas barreiras às empresas do setor.

À Bloomberg, Michael O’Rourke, chief market strategist da JonesTrading Institutional Services, disse: “As grandes companhias tecnológicas já têm impostos pouco eficazes porque têm conseguido enganar o sistema. Qualquer reforma terá de corrigir essas fugas, que é o que se está a tentar fazer, pelo que elas não irão sair beneficiadas.”

A mexer com os mercados esteve também um discurso da ainda líder da Reserva Federal, Janet Yellen, que disse: “A expansão económica é cada vez mais geral em todos os setores, assim como em grande parte da economia global.” E reiterou que são “apropriadas subidas graduais das taxas de juro”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecnologia pressiona Wall Street. Bolsas fecham mistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião