Reestruturação do negócio da Altice em França vai durar um ano, pelo menos

A reestruturação da operadora francesa SFR, que é o maior negócio do grupo Altice, só deverá começar a ter efeitos dentro de 18 meses e deverá durar pelo menos um ano, refere a Bloomberg.

A reestruturação da operadora francesa SFR, que é o maior negócio do grupo Altice, vai durar pelo menos um ano e um impacto positivo nas receitas e no lucro da empresa só deverá tornar-se evidente dentro de 18 meses. A informação foi avançada esta quarta-feira pela Bloomberg, que cita “pessoas familiarizadas com o assunto”.

Já eram conhecidos os planos da Altice de cortar até 5.000 postos de trabalho na operadora até meados de 2019, uma decisão que, de acordo com fontes da agência, estará a pesar no ânimo dos trabalhadores. No mercado, o consenso é o de que não existe uma solução rápida para os problemas do grupo, que também detém a PT e a marca Meo em Portugal.

No curto prazo, a SFR deverá apostar em campanhas de natal com preços das comunicações mais baixos, assim como outros pacotes focados na captação de novos clientes. O objetivo é voltar a crescer em número de subscritores e ganhar quota de mercado, dois dos indicadores que mais deixaram a desejar nas contas do terceiro trimestre e que provocaram um terramoto no seio do grupo.

Os resultados foram apresentados no início deste mês e, desde aí, a Altice já afundou em bolsa mais de 55%, mudou a estrutura da gestão e anunciou uma alteração na estratégia, com a possibilidade de vender alguns ativos no ano que vem. Tudo para reconquistar a confiança dos investidores, que têm dúvidas quanto à capacidade do grupo de Patrick Drahi de pagar os mais de 50 mil milhões de euros de dívida que acumula.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reestruturação do negócio da Altice em França vai durar um ano, pelo menos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião