Facebook e Google voltam a suportar ganhos em Wall Street

Alguma ansiedade em Wall Street por causa da incerteza política em relação ao plano fiscal de Trump e ao fecho do governo federal. Ainda assim, setor tecnológica deu ânimo às bolsas americanas.

O dia em Wall Street começou com muitos investidores na expectativa em relação ao momento político em Washington, em que os deputados no Senado e no Congresso tentam chegar a um consenso para aprovar a reforma fiscal e ainda evitar o encerramento parcial de alguns serviços do Governo. Ainda assim, com o evoluir do dia, o setor tecnológico deu um ar da sua graça e permitiu que os ganhos nas bolsas norte-americanas fossem um pouco mais robustos.

As estrelas da sessão americana foram sobretudo as tecnológicas mais conhecidas de todos. As ações do Facebook, por exemplo, somaram 1,77% para 179,07 dólares. Para a Alphabet, dona do Google, a sessão acabou com os seus títulos em alta de 1,42% para 1.047,38 dólares.

Neste cenário dominado pelo setor da tecnologia, o Nasdaq foi o índice que registou o melhor desempenho. Avançou 0,6%%. Mas também o S&P 500 e o industrial Dow Jones, que iniciaram o dia com perdas, inverteram o rumo dos acontecimentos e encerraram a valorizar 0,39% e 0,41%, respetivamente.

O setor tecnológico liderou mais uma vez os ganhos“, comentou Peter Cardillo, economista da First Standard Financial, à agência Reuters.

No passado sábado, a reforma de Trump para baixar os impostos às empresas obteve luz verde do Senado (maioritariamente republicano), mas a redação final da proposta não agradou aos republicanos no Congresso, obrigando a negociações entre as partes no sentido de ter um acordo final até antes do dia 22 de dezembro.

Por outro lado, adensando este clima de maior incerteza, há receios em relação a um encerramento parcial dos serviços do Governo Federal caso o presidente Donald Trump e o Congresso não cheguem a acordo sobre a lei relacionada com gastos públicos antes desta sexta-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook e Google voltam a suportar ganhos em Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião