Fatura do Brexit pode atingir os 40 a 45 mil milhões de euros

O Brexit poderá custar ao Reino Unido entre 40 e 45 mil milhões de euros, revela a Reuters.

O Reino Unido está a contar que a fatura final do divórcio com a União Europeia atinja os 40 ou 45 mil milhões de euros.

De acordo com uma fonte britânica citada pela Reuters, o custo do cumprimento das obrigações financeiras para levar a cabo o Brexit, ou seja, a separação da União Europeia poderá oscilar entre 34,8 e 39,2 mil milhões de libras. Um valor a pagar ao longo de várias décadas.

Este valor é inferior aos 100 mil milhões de euros que vários diplomatas, que acompanham as negociações, avançaram ao Financial Times, no final de novembro. O Reino Unido, ao longo das negociações, tem vindo a pressionar para que a fatura descesse para os 40 ou 45 mil milhões de euros — o valor agora avançado pela fonte britânica citada pela Reuters — tendo em conta as receitas e deduções feitas durante os anos em que pertenceu à União Europeia. O Reino Unido tem defendido também que os pagamentos sejam calculados ao longo do tempo, à medida que obrigações específicas vão expirando.

A União Europeia estava a pedir, pelo menos, 60 mil milhões de euros (71 mil milhões de libras) para fazer face às responsabilidades financeiras que assumiu enquanto membro e que não desaparecem no momento em que decide deixar de pertencer ao clube europeu. Nomeadamente, uma percentagem do Orçamento europeu, cujos planos de despesa são desenhados a sete anos, as chamadas perspetivas financeiras que se materializam, por exemplo, no caso português, no Portugal 2020 e nos fundos estruturais de que o país beneficia.

Na fatura devem ainda constar são as responsabilidades assumidas ao nível das pensões dos responsáveis europeus e deputados do Parlamento Europeu que, o ano passado subiram 5% para 67,2 mil milhões de euros. Deste montante, Reino Unido tem a seu cargo dez mil milhões de euros.

O argumento britânico para baixar este valor é de que 60 mil milhões de euros é, por exemplo, mais do que o orçamento de defesa anual do Reino Unido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fatura do Brexit pode atingir os 40 a 45 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião