Uber: partidos podem aprovar regulamentação já em janeiro

  • ECO
  • 12 Dezembro 2017

Partidos admitem aproximar posições para que, já no início do próximo ano, possam ser aprovadas as regras que enquadrarão esta atividade. Políticos pedem "urgência" no encerramento deste processo.

Nove meses depois de ter dado entrada no Parlamento, o dossiê relativo à regulamentação das plataformas eletrónicas como a Uber e o Cabify tem, por fim, um encerramento à vista. O Governo e o PSD admitem aproximar as suas posições para que, em janeiro do próximo ano, possam ser aprovadas as regras que enquadrarão esta atividade.

“Sentimos que há elementos positivos na proposta do PSD e uma vontade genuína de convergir rapidamente para uma solução numa matéria que consideramos importante para o país”, explicou José Mendes ao Negócios. Segundo o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, esta questão deve “merecer da parte dos grupos parlamentares toda a prioridades.

“Estamos na reta finalíssima, já não há desculpa”, acrescentou António Costa da Silva, ao mesmo jornal. De acordo com o social-democrata, o objetivo é acelerar o processo e “fechar o dossiê com urgência”, agora que as Autárquicas e o Orçamento do Estado para 2018 já são assuntos tratados. Sobre a taxa de 5% sugerida pelo PSD para os veículos em questão (para compensar os custos da regulação), Costa da Silva revela que o partido está aberto a alterações, nomeadamente no que diz respeito ao valor.

Já sobre a fixação de contingentes para veículos descaracterizados, só o Bloco de Esquerda defende a sua aprovação. Ainda assim, também os bloquistas desejam que o processo seja encerrado o mais rápido possível. Heitor de Sousa propõe que seja definida uma data limite para as audições e aberta a possibilidade de serem dadas respostas por escrito em caso de falta de agenda. Na opinião do deputado, é possível que todos os intervenientes sejam ouvidos ainda em dezembro, de modo em que em janeiro tenha lugar a votação na especialidade e no plenário.

Esta terça-feira têm audição marcada no grupo de trabalho para os transportes públicos — que funciona no âmbito da comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas — a Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL), a Federação Portuguesa do Táxi (FPT) e a Associação Nacional de Parceiros das Plataformas Alternativas de Transportes (ANPPAT). Em breve, a Uber e a Cabify também deverão ser ouvidas.

No início deste mês, o Tribunal da Relação voltou a declarar a Uber ilegal, depois de ter rejeitado o recurso interposto pela plataforma na batalha jurídica contra a associação de taxistas Antral. Segundo Lourenço, essa decisão criou um “problema grave”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber: partidos podem aprovar regulamentação já em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião