Tribunal da Relação declara Uber ilegal, mas não há efeitos em Portugal. Empresa vai analisar decisão

O Tribunal da Relação em Portugal voltou a declarar que a Uber é ilegal. A decisão não se aplica à atividade da plataforma em Portugal. Oficialmente, a Uber diz que vai analisar a decisão.

O Tribunal da Relação em Portugal voltou a declarar que a Uber é ilegal, depois de ter rejeitado o recurso mais recente interposto pela plataforma na batalha jurídica contra a associação de taxistas Antral. Ainda assim, a decisão não se aplica à atividade da Uber em Portugal e, oficialmente, uma fonte da empresa norte-americana diz que vai analisar a decisão.

“Iremos analisar esta decisão em detalhe para avaliar próximos passos. Este é mais um capítulo de um caso do início de 2015 quando novas formas de mobilidade como a Uber começaram a surgir em Portugal”, diz fonte oficial da Uber.

A sentença da Relação de Lisboa foi conhecida esta terça-feira e confirma as anteriores decisões judiciais que declaram que aquela plataforma de transportes é ilegal. Porém, a decisão não se aplica à atividade em Portugal uma vez que a entidade visada é a Uber Inc. e não a Uber B.V., que está sedeada a Holanda e presta os serviços em Portugal.

A Uber está em Portugal desde 2014, sendo uma plataforma ‘online’ que permite pedir carros descaracterizados de transporte de passageiros, com uma aplicação para ‘smartphones’ que liga quem se quer deslocar a operadores de transporte.

Mas, em 2015, a Antral avançou com um processo judicial para acabar com a atividade da Uber e de outras plataformas de transporte equivalentes, como a Cabify. Este, de resto, não foi o primeiro recurso interposto pela plataforma e que foi recusado pelo tribunal.

"Iremos analisar esta decisão em detalhe para avaliar próximos passos. Este é mais um capítulo de um caso do início de 2015 quando novas formas de mobilidade como a Uber começaram a surgir em Portugal.”

Fonte oficial da Uber

Esta batalha jurídica entre Uber e taxistas ocorre numa altura em que o Parlamento e o Governo se encontram a preparar um enquadramento legislativo que permita regular a atividade destas plataformas online de mobilidade e transporte de passageiros.

Segundo fonte da Uber, a decisão de hoje da Relação de Lisboa “reforça mais uma vez a urgência da aprovação pela Assembleia da República, de um quadro regulatório moderno e transparente para a mobilidade em Portugal, que vá ao encontro das expectativas dos milhares de utilizadores usam diariamente a Uber para viajar nas nossas cidades, e dos mais de 3.000 motoristas que encontram na Uber uma oportunidade económica.”

Foi por causa destes atrasos no processo legislativo que no passado mês os motoristas de várias plataformas, incluindo a Uber, Cabify e Chofer, realizaram uma paralisação parcial, uma manifestação que também serviu para protestar contra aquilo que consideraram ser uma “perseguição” pelas autoridades judiciais em relação à sua atividade.

(Notícia atualizada às 18h53)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal da Relação declara Uber ilegal, mas não há efeitos em Portugal. Empresa vai analisar decisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião