Federação abre a porta a preços do futebol como na Uber

O diretor da FPF afirmou que os consumidores vão assistir "ao nascimento de preços dinâmicos em futebol" nos próximos sete anos. O clube que o fizer "vai conquistar muito valor a médio prazo", disse.

Tiago Craveiro, diretor-geral da Federação Portuguesa de Futebol, abriu a porta à introdução de “preços dinâmicos” nos bilhetes para ir ver jogos de futebol.JOSE COELHO/LUSA

E se os preços dos bilhetes no futebol fossem como as tarifas dinâmicas da Uber, em que “comprar bilhete agora” fosse diferente de comprar “daqui a dez minutos”? Esta terça-feira, a porta à introdução de “preços dinâmicos” para ir “ver a bola” foi aberta. Precisamente por Tiago Craveiro, o diretor-geral da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Num painel sobre o futuro da modalidade, que decorreu na Cidade do Futebol em Lisboa, Tiago Craveiro afirmou: “Eu gostava de adivinhar quem é o primeiro clube, seleção, que vai aplicar preços dinâmicos. Acredito que, nos próximos sete anos, assistiremos ao nascimento de preços dinâmicos em futebol, como se aplica na hotelaria e na aviação. Comprar um bilhete agora será diferente do valor daqui a dez minutos num qualquer site.”

E detalhou: “Isso tem um algoritmo por trás. Pressupõe conhecimento dos clientes e, portanto, quem será o primeiro a lançar preços dinâmicos para assistir a futebol ao vivo em Portugal? Quem o fizer estará a arriscar, mas vai conquistar muito valor a médio prazo.” O mote foi assim lançado.

Acredito que, nos próximos sete anos, assistiremos ao nascimento de preços dinâmicos em futebol, como se aplica na hotelaria e na aviação. Quem o fizer estará a arriscar, mas vai conquistar muito valor a médio prazo.

Tiago Craveiro

Diretor-geral da Federação Portuguesa de Futebol

Num modelo dinâmico, os preços são ditados consoante a lei da oferta e da procura. Ou seja, os preços não são fixos: podem variar dependendo do número de bilhetes disponíveis face ao número de adeptos potenciais compradores. Em teoria, os preços poderão aumentar à medida que a hora do jogo se aproxima ou que a lotação do estádio se vai esgotando.

No limite, a introdução de algoritmos na definição de preços poderá mesmo ditar que estes se ajustem de forma segmentada, tendo em conta, por exemplo, a classe financeira do comprador ou quanto é que este está disposto a pagar. São, contudo, meras hipóteses com base naquilo que já existe no mercado.

Em Portugal, a aplicação de transporte Uber é, talvez, o caso mais flagrante: através das tarifas dinâmicas, a empresa é capaz de aumentar os preços consoante o número de motoristas disponíveis. Em horas mais movimentadas, os valores podem quase duplicar. No caso dos bilhetes na aviação comercial, as companhias aéreas definem os preços consoante a proximidade do dia do voo, ou o número de lugares disponíveis no avião.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Federação abre a porta a preços do futebol como na Uber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião