Uber: greve reforça “urgência da aprovação” de lei no Parlamento

Os trabalhadores das plataformas digitais Uber, Cabify e Chofer estão em greve esta quarta-feira. Uber reconhece o direito dos trabalhadores e pede mais rapidez ao Governo e deputados.

O diretor geral da Uber em Portugal reagiu esta quarta-feira à greve dos seus motoristas, reconhecendo o direito a manifestarem-se. Rui Bento considera que a paralisação é um sinal da “urgência” de se aprovar um quadro regulatório para estas plataformas online — legislação que está parada na Assembleia da República há vários meses. O líder da Uber quer que a Web Summit “inspire Portugal para celebrar e não para punir a inovação”.

A greve começa às 16h e termina às 20h, tendo como objetivo protestar contra a “perseguição” pelas autoridades policiais que têm sido notícia em vários eventos de maior dimensão, como foi o caso desta segunda-feira, na Web Summit. Os motoristas querem criar o “caos na mobilidade urbana”, uma situação que esperam que sirva de alerta para que os deputados sejam mais rápidos.

Em reação à greve, Rui Bento começa por dizer, em comunicado enviado às redações, que a Uber respeita “o direito que a comunidade de motoristas tem de se manifestar”. “Esta situação reforça mais uma vez a urgência da aprovação, pela Assembleia da República, de um quadro regulatório moderno e transparente para a mobilidade em Portugal, que vá ao encontro das expectativas dos milhares de utilizadores que usam diariamente a Uber para viajar nas nossas cidades, e dos mais de 3.000 motoristas que encontram na Uber uma oportunidade económica”, argumenta, colocando-se ao lado das reivindicações dos trabalhadores, que não trabalham exatamente nestas plataformas, mas antes se ligam a estas para trabalhar.

O diretor geral da Uber tem, por isso, uma esperança: “Esperamos que o maior evento tecnológico do mundo inspire Portugal para celebrar e não para punir a inovação”. Para já, a principal reivindicação das plataformas é que haja um período de tolerância enquanto a legislação não é aprovada e publicada em Diário da República.

Esta terça-feira a Associação Nacional de Parceiros das Plataformas Alternativas de Transportes (ANPPAT), em comunicado citado pela Lusa, garantia que “está ao lado de todos os empresários do setor”, assinalando que “é difícil entender o porquê do arrastamento desta situação, depois das posições públicas favoráveis de vários membros do Governo”. Segundo a ANPPAT, as coimas aplicadas aos motoristas já ascendem a um milhão de euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber: greve reforça “urgência da aprovação” de lei no Parlamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião