PME vão ter portal gratuito com tudo o que precisam saber para exportar

As pequenas e médias empresas de todo o mundo vão passar a ter um portal online, a nível mundial, com todas as informações necessárias a uma empresa exportadora. O portal é 100% gratuito.

Imagine uma empresa portuguesa que queira exportar sapatos para o Chile. Vai querer saber as tarifas que lhe vão ser cobradas, os certificados de qualidade que tem de conseguir, as regras de origem em vigor no país, os preços praticados naquele mercado, quem são as principais marcas concorrentes. E agora vai ter toda a informação reunida num só ponto e será gratuito.

O portal online vai disponibilizar gratuitamente todas as informações necessárias a uma empresa exportadora. Poderá ser acedido por qualquer PME, seja de que país for, e vai ter informações sobre todos os mercados mundiais. Assim, as empresas podem aceder à inteligência de mercado reunida num só ponto e a cereja no topo do bolo é que o portal é 100% gratuito.

“O que vamos fazer para a ministerial de Buenos Aires, que espero que tenha utilidade também aqui em Portugal, é criar um grande portal para que as PME acedam a inteligência de mercado”, contou ao ECO Arancha Gonzalez, a diretora executiva do Centro de Comércio Internacional (ITC). “Vamos fazê-lo em conjunto com a OMC e a com a UNCTAD, as três agências”, precisou.

“Temos um montão de informação sobre o comércio internacional, sobre fluxos de comércio, barreiras comerciais, pautais e não pautais (as mais importantes). Estamos sentados numa montanha de informação, mas não a agregamos para que a empresa tenha uma inteligência de mercado”, acrescenta a responsável.

Temos um montão de informação sobre o comércio internacional, sobre fluxos de comércio, barreiras comerciais, pautais e não pautais (as mais importantes). Mas não a agregamos.

Arancha Gonzalez

Diretora executiva do Centro de Comércio Internacional

Este portal deverá ficar disponível nos próximos dias, ainda durante a reunião ministerial da Organização Mundial de Comércio, que se este iniciou domingo em Buenos Aires. A plataforma vai ser feita com financiamento das três instituições : Organização Mundial de Comércio (OMC), Centro de Comércio Internacional (ITC) e Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), com “fundos públicos de ajuda ao desenvolvimento”.

Como um grande bem público. “Vamos oferecer o acesso ao portal, porque existe uma grande assimetria” de informação entre os exportadores dos vários países, sublinha Arancha Gonzalez. “Se és uma grande empresa podes pagar esta informação, consultoras como a McKinsey disponibilizam mediante pagamento”, acrescenta. “Mas o problema é que há um montão de empresas que não têm acesso a esta informação que deveria ser de acesso gratuito e público”.

Ter acesso a esta informação não garante a definição de uma estratégia de internacionalização, mas já ajuda as empresas a não partir para um mercado de olhos vendados. “Se com base nessa informação a empresa que quiser que alguém lhe delineie uma estratégia, terá de pagá-la”, frisa. “A informação já está disponível, mas em 25 sítios diferentes, o que queremos é dar às empresas um único ponto de acesso”.

A informação já está disponível, mas em 25 sítios diferentes, o que queremos é dar às empresas um único ponto de acesso.

Arancha Gonzalez

Diretora executiva do Centro de Comércio Internacional

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PME vão ter portal gratuito com tudo o que precisam saber para exportar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião