OCDE alerta: choques externos serão um desafio para Portugal

A OCDE alerta que a economia portuguesa será "particularmente" desafiada caso exista um impacto externo. A Organização diz que há uma reduzida capacidade de suportar um choque económico.

A economia portuguesa ainda está vulnerável a impactos externos negativos. O alerta é dado esta terça-feira pela OCDE no Economic Outlook de novembro. A Organização considera que a recuperação económica ganhou “tração” em 2017 graças às reformas estruturais do passado e ao reforço do consumo privado. Para 2018, até é mais otimista do que o Governo: aponta para uma subida do PIB de 2,3% face aos 2,2% esperados por Mário Centeno. Contudo, os riscos de um choque externo persistem, principalmente no setor financeiro.

“Embora a estabilidade do setor financeiro tenha aumentado durante os últimos anos, os ativos de baixa qualidade e a fraca rentabilidade [dos bancos] reduz a sua capacidade de aguentar um choque económico adverso“, assinala a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico. No capítulo dedicado a Portugal, a OCDE nota ainda que o “elevado” nível de crédito malparado e a dívida pública “elevada” fazem com que a economia “real” venha a ser “particularmente desafiada” perante um qualquer choque externo negativo.

A dívida pública mantém-se muito alta, o que limita a capacidade do Governo de responder na eventualidade de existirem choques externos futuros.

OCDE

Economic Outlook de novembro

Além disso, existem outros fatores que mantêm a economia portuguesa em perigo face crises externas. “O setor privado, especialmente as empresas, continuam a estar altamente endividadas“, assinala a organização liderada por Angel Gurría. Do lado do setor público, a OCDE alerta o Governo de que mais expansão orçamental “pode ter o risco de debilitar a sustentabilidade orçamental”. “A dívida pública mantém-se muito alta, o que limita a capacidade do Governo de responder na eventualidade de existirem choques externos futuros”, aponta o documento.

OCDE mais otimista que o Governo no PIB de 2018

Apesar dos avisos, a OCDE está mais confiante no crescimento económico de Portugal do que o Governo: no Economic Outlook prevê-se uma subida do PIB de 2,3% para 2018 e 2019, enquanto o Executivo prevê um crescimento de 2,2%. Os motores da economia serão a procura interna e as exportações, na ótica da OCDE, uma vez que o consumo vai continuar acelerar devido à criação de emprego. “O crescente consumo privado tem refletido a notável subida do real rendimento disponível e a aceleração do emprego”, assinala a OCDE.

Além disso, o investimento também deverá continuar a acelerar, principalmente pela promessa do Executivo de subir consideravelmente o investimento público no próximo ano. Ao mesmo tempo, o setor privado está a responder à aceleração do consumo privado e aos aumentos da rentabilidade — “o investimento privado tem aumentado rapidamente e existem indicadores que apontam para uma maior intenção de contratar”.

Do lado das contas públicas, a OCDE prevê que o défice de 2017 fique nos 1,5%, acima do objetivo de 1,4% do Governo. Para 2018, a estimativa é de 1%, face aos 1,1% do Executivo. A Organização considera que a política orçamental nesses dois anos será “levemente expansionista”. Contudo, a organização alerta que, no futuro, a política orçamental expansionista deve ser “evitada” dado que é preciso diminuir a dívida pública. Ainda assim, a OCDE sugere que há espaço para tornar a política orçamental mais amiga do crescimento fazendo um ajustamento na composição da despesa e dos impostos.

O crescente consumo privado tem refletido a notável subida do real rendimento disponível e a aceleração do emprego.

OCDE

Economic Outlook de novembro

“Reformas que promovam a produtividade e facilitem a entrada dos profissionais de serviços iria reforçar a força da recuperação” económica, aconselha a OCDE. Este deveria ser o foco do país, segundo o documento, uma vez que iria promover a produtividade e o dinamismo empresarial.

No futuro, a Organização prevê que o crescimento dos salários aconteça em breve, o que irá “eventualmente traduzir-se” no aumento da inflação. Além disso, a OCDE refere que se a recuperação económica nos parceiros comerciais de Portugal for melhor do que a esperada, isso poderá alavancar as exportações portuguesas e o investimento privado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE alerta: choques externos serão um desafio para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião