OCDE: Indicador para a economia nacional em máximos de três anos e meio

O indicador avançado da OCDE aponta para uma continuação do crescimento económico em Portugal. O índice compósito acelerou e atingiu o mesmo nível de abril de 2014.

O indicador avançado da OCDE para Portugal continua acima dos 100 pontos, mostrando que a economia vai manter-se em crescimento nos próximos seis a nove meses. Desde fevereiro que este indicador tem recuperado, tendo ultrapassado o limiar dos 100 pontos em maio, após vários meses de abrandamento. Agora o indicador aponta para uma aceleração da economia portuguesa.

É preciso recuar a abril de 2014 para que o índice compósito da OCDE relativo a Portugal, divulgado esta quinta-feira pela organização, tivesse uma pontuação tão boa. O indicador avançado fixou-se nos 101,21 em setembro, face aos 101,09 registados em agosto.

O crescimento em cadeia — de um mês para o outro — registado em setembro foi de 0,13%. Já a variação homóloga foi mais expressiva: 1,56%.

O cálculo da OCDE para o indicador avançado conjuga vários indicadores económicos, os mesmo usados para calcular o ciclo económico. Contudo, no indicador avançado, a OCDE antecipa qual vai ser o comportamento da economia daqui a seis meses, prevendo tendências. No caso de Portugal, os dados de setembro mostram que a tendência será de aceleração da economia, pelo menos até ao segundo trimestre de 2018.

Para o próximo ano, o Governo está a prever uma desaceleração da economia dos 2,6%, em 2017, para os 2,2%, em 2018. O crescimento económico deste ano tem superado as expectativas: no primeiro semestre o PIB cresceu 2,9% com sucessivas revisões em alta do INE. Na próxima semana, o Instituto Nacional de Estatística vai revelar a estimativa rápida relativa à evolução da economia no terceiro trimestre.

O indicador avançado da OCDE aponta ainda para um crescimento estável nos EUA, Japão, Canadá, zona euro e França. A ganhar aceleração está a economia italiana e a alemã. Por outro lado, o Reino Unido tem agora uma perspetiva menos positiva quanto à evolução da economia num futuro próximo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OCDE: Indicador para a economia nacional em máximos de três anos e meio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião