Taxa contributiva dos recibos verdes vai descer em 2019

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 13 Dezembro 2017

Base de incidência contributiva passa a ter em conta rendimento mais recente. Isenção de descontos para quem acumula trabalho dependente e independente será mais limitada. As empresas vão pagar mais.

Quando o novo regime entrar em vigor, os trabalhadores independentes vão passar a contar com uma taxa contributiva mais baixa e também haverá mudanças na base sobre a qual incidem os descontos. Já as entidades contratantes vão ser abrangidas por uma taxa mais alta, de acordo com a proposta de decreto-lei enviada aos parceiros sociais, a que o ECO teve acesso.

O documento, ainda preliminar, prevê que a taxa contributiva dos trabalhadores independentes desça, a partir de 2019, dos atuais 29,6%, para 21,41%. Já no caso de empresários em nome individual e titulares de estabelecimento individual de responsabilidade limitada, a taxa recua de 34,75% para 25,17%. Da lei deverá desaparecer a taxa específica de 28,3% que era paga por produtores agrícolas.

Por outro lado, as entidades contratantes passam a contribuir mais. E este conceito passa a ser mais abrangente. Até aqui, entidades contratantes eram as pessoas coletivas e as pessoas singulares com atividade empresarial responsáveis por, pelo menos, 80% dos rendimentos anuais do trabalhador independente — agora, aquela percentagem desce para 50%, mantendo-se exceções já previstas na lei. Portanto, em vez vez de serem 68 mil os trabalhadores independentes considerados economicamente dependentes, passam a ser 95 mil, de acordo com um documento que resultou do acordo entre Governo e Bloco de Esquerda sobre esta matéria, a que o ECO teve acesso.

Se atualmente estas entidades estão sujeitas a uma taxa de 5%, com o novo regime passa a estar em causa um desconto de 10% nas situações em que a dependência económica é superior a 80% e de 7% nas restantes situações. Mudanças que produzem efeitos já em 2018, sendo a taxa paga no ano seguinte.

Descontos passam a ter em conta rendimentos mais recentes

Não é só a taxa contributiva dos recibos verdes que muda. A base de incidência contributiva também sofre alterações, e passa a ter em conta rendimentos mais recentes, tal como já tinha sido revelado. A contribuição passará então a ter em conta o rendimento relevante dos três meses anteriores ao da declaração trimestral, ainda que haja opção de ajustar este valor. A versão preliminar do diploma prevê então que os trabalhadores que não estejam isentos de contribuir tenham de declarar trimestralmente os valores associados à prestação de serviços e produção e venda de bens, bem como outros rendimentos em termos a regulamentar.

Esta declaração será feita até ao último dia de abril, julho, outubro e janeiro, relativamente aos rendimentos obtidos nos três meses anteriores. A primeira declaração terá lugar em janeiro de 2019, por referência aos rendimentos de outubro, novembro e dezembro de 2018. Esta obrigação não se aplica porém a trabalhadores cujo rendimento relevante dependa do lucro tributável.

Atualmente, os recibos verdes são colocados, no final de cada ano, em escalões contributivos que têm por referência o rendimento relevante do ano anterior — este conceito abrange 70% do valor total da prestação de serviços e 20% de rendimentos de produção e venda de bens. As percentagens são para manter mas reportam agora ao rendimento médio do último trimestre, explica o documento que resultou do acordo.

O trabalhador tem ainda a opção de descontar mais ou menos. No momento da declaração trimestral, pode escolher corrigir, aumentando ou diminuindo, o rendimento relevante em 25%, nos termos do acordo entre Bloco e e Governo.

Quando não há rendimentos ou estes sejam tão baixos que originam contribuições inferiores a 20 euros, passa a ser este o desconto exigido, valor que deverá ser atualizado anualmente de acordo com a subida do IAS.

No caso de trabalhadores com contabilidade organizada, o rendimento relevante corresponde ao valor do lucro tributável apurado no ano civil anterior — hoje, esta regra só se aplica se este valor for inferior ao que resulta das regras gerais. A base sobre a qual incidem os descontos, neste caso, corresponde ao duodécimo do lucro tributável, com o limite mínimo de 1,5 vezes o valor do IAS, e é fixada em outubro para produzir efeitos no ano civil seguinte. Mas o trabalhador pode requerer o regime de apuramento trimestral do rendimento relevante, indica a versão preliminar do diploma.

A base de incidência contributiva considerada em cada mês deverá ter como limite máximo 12 IAS, avança ainda a proposta.

Isenções apertam

Quem acumula trabalho independente e dependente também vai ter de descontar para a Segurança Social se o rendimento relevante médio mensal, apurado trimestralmente, ultrapassar quatro IAS — um valor que deverá aproximar-se dos 1.714 euros em 2018, o que corresponde a um rendimento total de 2.448 euros. Neste caso, o desconto incide sobre o excedente dos quatro IAS. Serão cerca de 9.000 os trabalhadores nesta situação, menos de 1% do atual universo de isentos, diz o documento que resultou do acordo.

Atualmente, os trabalhadores que acumulam atividade dependente e independente estão isentos de contribuir pelos recibos verdes se o exercício das duas atividades for prestado a empregadores distintos (sem relação de grupo) e se receberem mais de 12 IAS por ano pelo trabalho dependente, estando abrangidos por regime de proteção social obrigatório. Com a nova redação, acresce então outra limitação.

Também passam a estar isentos de contribuir os trabalhadores que tenham descontado o valor mínimo de 20 euros ao longo de um ano, enquanto se mantiverem as condições, avança a versão preliminar do diploma.

Além das situações que já antes estavam fora da abrangência do regime de trabalhadores independentes, também ficarão excluídos todos aqueles que tenham rendimentos de categoria B que resultem exclusivamente de contratos de arrendamento e de arrendamento urbano para alojamento.

Proteção social alargada

Do acordo entre BE e Governo resulta ainda o alargamento da proteção social, que deverá entrar em vigor em julho de 2018, sabe o ECO. Até agora, a prestação por desemprego atribuída a recibos verdes dependia nomeadamente de 720 dias de desconto nos últimos quatro anos, mas passará a exigir 360 dias nos últimos dois anos, à semelhança do que acontece no regime de trabalhadores por conta de outrem. Da mesma forma, o regime torna-se mais abrangente com o alargamento do conceito da entidade contratante.

Também há mudanças no subsídio de doença. Até aqui, este era atribuído a partir do 31º dia de doença mas no futuro passa a ser a partir do 10º, avança o resultado do acordo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Taxa contributiva dos recibos verdes vai descer em 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião