Costa: Subida da Fitch não é “fruto de milagres”

  • Lusa
  • 16 Dezembro 2017

O primeiro-ministro afirmou que a subida do rating pela Fitch é fruto do trabalho dos portugueses, do investimento dos empresários e da forma como o Estado tem sabido implementar boas políticas.

O primeiro-ministro, António Costa, disse este sábado, em Figueiró dos Vinhos, que a subida do ‘rating’ português pela agência de notação financeira Fitch não é “fruto de milagres”, mas sim das boas políticas que estão a ser seguidas.

Na sexta-feira, a agência de notação financeira Fitch subiu dois níveis o ‘rating’ de Portugal, que deixou de ser considerado lixo e passou a ter um grau de investimento de qualidade.

“Estes resultados não são fruto de milagres, são fruto do trabalho dos portugueses, do investimento dos empresários e da forma como o Estado tem sabido implementar boas políticas“, disse António Costa, em Figueiró dos Vinhos, no âmbito de uma visita à região Centro do país, para se inteirar das operações de reconstrução das zonas afetadas pelos incêndios do verão.

Salientando que a situação do país é “completamente” distinta de 2011, o primeiro-ministro frisou que “hoje temos uma situação de crescimento sustentado, redução sustentada do desemprego, e controlo do défice e redução da dívida”. O governante destacou que esta melhoria do ‘rating’ português já se traduz na redução da taxa de juro dos empréstimos que o país paga, cuja taxa de juro no início do ano estava próximo dos 0,4% e neste momento está já abaixo dos 0,2%.

“Esta redução [da taxa de juro] vai ter impacto, mas temos, sobretudo, de nos concentrar em dar continuidade às boas políticas que têm permitido estes resultados. E, por isso, é importante continuarmos a fazer bom trabalho”, sublinhou.

Segundo António Costa, têm sido as boas políticas do Governo que têm “permitido a recuperação de rendimentos das famílias, o aumento do investimento, o crescimento sustentável das exportações e um bom rigor na execução da despesa pública, uma redução continuada do défice e o início da redução da dívida”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: Subida da Fitch não é “fruto de milagres”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião