Fenprof responde a PowerPoint do Governo slide a slide

  • Marta Santos Silva
  • 19 Dezembro 2017

A informação divulgada pelo Governo num PowerPoint sobre o custo das progressões é "propaganda" e "demagógica", acusa o sindicato dos professores, apresentando, slide a slide, os pontos de discórdia.

O Governo divulgou esta terça-feira uma apresentação PowerPoint com dados sobre as progressões dos professores que a Fenprof decidiu contestar através de um comunicado em que refuta certos números que surgem em determinados slides.

A apresentação do Governo parecia querer alertar para o grande custo de descongelar a carreira dos professores, devido à sua progressão relativamente mais rápida para escalões remuneratórios altos: a apresentação assinala que, em 2021, cerca de 23% do total de professores nos quadros estarão nos dois últimos escalões. A Fenprof responde a este ponto, por exemplo, dizendo que “este documento vem ainda confirmar que o Governo poderia reduzir em muito o custo com recursos humanos na Educação. Se, em 2021, 23% dos docentes terão atingido os mais elevados níveis da carreira, isso traduz o envelhecimento do corpo docente, problema que, a ser resolvido, através da aprovação de um regime específico de aposentação para os docentes, terá impacto positivo na vida das escolas, mas também o terá no plano financeiro“.

As críticas da Fenprof foram duras: “Do Governo, exige-se rigor na divulgação de números como estes que são postos a circular. Não o tem, e cremos que não por incompetência dos seus técnicos, mas sim por falta de seriedade dos seus políticos, o que se lamenta profundamente”. Veja abaixo os slides contestados pela Fenprof, e leia nas legendas as críticas do sindicato.

A Fenprof decidiu dar relevo a um outro pormenor. Segundo o sindicato, o Ministério da Educação “omite” aquilo que “os docentes perderam em apenas sete anos: mais de 8.000 milhões de euros”, devido aos cortes salariais e outras medidas de austeridade que visaram este grupo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fenprof responde a PowerPoint do Governo slide a slide

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião