Requalificação da EN14 avança. Problema da Continental persiste

Pedro Marques vai, esta quarta-feira, assinar um contrato de empreitada para a requalificação da EN14, em Famalicão. É o primeiro troço da obra reivindicada pela Continental.

O Governo vai avançar com a requalificação na Estrada Nacional 14, em Famalicão, mas o problema da Continental mantém-se. Para que a empresa alemã possa sossegar ficam a faltar ainda duas obras. Uma delas que já está em concurso, a realização dos acessos da estrada nacional 14 à zona industrial de Lousado, onde ficam as instalações da Continental e uma outra que prossiga pelo rio Ave. Esta última, a mais importante, para os interesses dos alemães, não tem ainda luz verde por parte do Governo.

O contrato de empreitada que esta quarta-feira, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas vai assinar no salão nobre da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, que fará a ligação entre a cidade de Famalicão e o lugar de Santana, em Ribeirão, é apenas um dos troços que a Continental reclama.

Fonte oficial da autarquia liderada pelo social-democrata Paulo Cunha, adiantou ao ECO que “esta é a primeira fase do projeto que foi aprovado em 2015, e foi anunciado em plena sede da Continental quando o ministro visitou a empresa”. “Mas é apenas um dos troços que a Continental precisa de ver resolvido para que os acessos à fábrica se tornem mais viáveis”, acrescentou.

A mesma fonte adianta que, na altura, o próprio presidente da Continental Mabor adiantou que, ao fim de tantos anos, este era um bom avanço, mas só por si não resolve o problema.

Recorde-se que a Continental ameaçou travar os investimentos em Portugal por falta de acessos à fábrica. Pedro Carreira, presidente da Continental Mabor, em entrevista ao ECO, em setembro, alertou que “foi dado um sinal claríssimo ao Governo” de que a situação não podia continuar. E avisava que a casa mãe está descontente e a “torneira” do investimento “está fechada”.

O contrato de empreitada que o ministro irá assinar, surge no âmbito do Programa de Valorização das Áreas Empresariais, e implica um investimento global de 3,3 milhões de euros na melhoria das acessibilidades rodoviárias à zona industrial de Lousado e à Zona Industrial de Ribeirão, resultado de um acordo de gestão estabelecido entre a Infraestruturas de Portugal e a Câmara de Vila Nova de Famalicão.

Comentários ({{ total }})

Requalificação da EN14 avança. Problema da Continental persiste

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião