Ministério Público pede redução de coimas a Salgado e Amílcar Pires

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2017

Para a procuradora Edite Palma, Amílcar Pires deve ser condenado ao pagamento de uma coima de 300.000 euros, suspensa em dois terços. No caso de Ricardo Salgado, a redução de 4 para 3,5 milhões.

O Ministério Público pediu esta quarta-feira a redução das coimas aplicadas em 2016 pelo Banco de Portugal ao ex-presidente do BES, Ricardo Salgado, de 4 para 3,5 milhões de euros e ao ex-administrador Amílcar Pires de 600.000 para 300.000 euros.

Nas alegações finais do julgamento dos pedidos de impugnação das contraordenações aplicadas pelo BdP, em agosto de 2016, nomeadamente por comercialização de títulos de dívida da Espírito Santo Internacional junto de clientes do BES, a procuradora do Ministério Público entendeu não ter ficado provado que Amílcar Pires atuou com dolo, mas sim de forma negligente, e considerou alguns atenuantes para uma redução da coima aplicada a Ricardo Salgado.

Para a procuradora Edite Palma, Amílcar Pires deve ser condenado ao pagamento de uma coima de 300.000 euros, suspensa em dois terços e deve ser revogada a sanção acessória de inibição do exercício de cargos dirigentes no setor financeiro e bancário durante três anos, mantendo a obrigação de publicitar a eventual condenação.

No caso de Ricardo Salgado, a redução de 4 para 3,5 milhões de euros é acompanhada do pedido de uma suspensão em um terço, mantendo-se a sanção acessória de inibição do exercício de cargos no setor durante 10 anos e de publicitação.

O mandatário do Banco de Portugal João Raposo não acompanhou o pedido de Edite Palma, reafirmando que a decisão sancionatória do supervisor “é justa”. João Raposo lamentou que a defesa no processo que corre desde março no Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS), em Santarém, se tenha centrado na “diabolização do supervisor”, na “mistificação da realidade”, no “branqueamento de responsabilidades” e na “tentativa de desacreditação de vozes incómodas”.

Salgado: Filha na Suíça assegura rendimento da família

Na parte da manhã, a juíza Anabela Campos quis ainda esclarecer a situação económica atual dos arguidos, com ambos a alegarem que perderam praticamente todo o património no processo de resolução do BES.

Ricardo Salgado afirmou que os rendimentos da família são assegurados por uma filha que vive na Suíça, pois mesmo as contas bancárias que possuía nesse país, onde viveu, foram arrestadas, além de ter perdido o milhão de euros que havia investido no aumento de capital do banco e as “duas ou três centenas de milhares de euros” que tinha depositados no BES e que passaram para o ‘banco mau’, lembrando ainda que tem parte significativa da sua pensão arrestada.

Por decisão do Tribunal Central de Instrução Criminal, no âmbito de um outro processo, Ricardo Salgado passou a auferir, desde outubro, de uma pensão líquida de 1.627 euros, já que foram arrestados 23 mil dos cerca de 24.700 euros que recebia mensalmente.

Igualmente questionado sobre os seus rendimentos atuais, Amílcar Morais Pires lembrou que está impedido de exercer cargos e funções em instituições financeiras e de crédito, situação agravada pelos “danos reputacionais” trazidos pelo processo e que têm dificultado encontrar trabalho mesmo na área não financeira.

Afirmando ter perdido para o BES em liquidação, em agosto de 2014, o valor da indemnização que recebeu (cerca de 500.000 euros depois de extraído o valor pago em impostos) e ainda poupanças da ordem dos 800.000 euros, Amílcar Pires afirmou estar a “delapidar” património, já que o rendimento que este gera não é suficiente para as despesas familiares.

Notícia atualizada às 20:20.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público pede redução de coimas a Salgado e Amílcar Pires

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião