Presidente da CGD considera que banca não voltará ao crédito fácil

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2017

"Não vamos voltar ao que aconteceu", disse Paulo Macedo. Justificou com um novo "rigor na concessão de crédito" e com as "exigências de capital" feitas pelos reguladores.

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) considera que o sistema bancário não vai regressar ao crédito fácil, como no passado, considerando que há mais rigor na análise dos devedores, até pelas exigências da regulação.

Não vamos voltar ao que aconteceu“, disse Paulo Macedo, durante o X Encontro Fora da Caixa, em Lisboa, respondendo à questão do moderador Ricardo Costa, jornalista e diretor-geral de informação do group Imprensa (SIC, Expresso), sobre se a banca está a caminho dos excessos do passado.

O presidente da CGD considerou que os bancos mudaram muito em dez anos, quer em “rigor na concessão de crédito”, quer pelas “exigências de capital” feitas pelos reguladores, uma vez que há créditos que podem penalizar o capital.

Além disso, afirmou, há menos riscos de atualmente se chegar a uma situação crítica de dificuldades de pagamento pelos devedores, uma vez que as taxas de juro estão em níveis historicamente baixos, pelo que mesmo que as taxas subam (o que os analistas preveem que aconteça em 2019 ou 2020) há ainda capacidade de famílias e empresas acomodarem esses aumentos.

Paulo Macedo disse ainda que a mudança não é apenas face há dez anos e que, mesmo em dois anos que muita coisa mudou na indústria bancária, dando como exemplo as exigências que o Banco Central Europeu faz aos administradores dos bancos e as regras dos comités de crédito relativamente a conflitos de interesse “como nunca tiveram no passado”.

O Banco de Portugal pediu cuidado aos bancos na concessão de crédito, sobretudo crédito à habitação, avisando que muitas famílias podem não conseguir pagar a dívida de futuro, e anunciou mesmo que estava a ponderar adotar medidas para restringir acesso a crédito a devedores muito endividados.

O presidente do banco público foi ainda questionado sobre o impacto das ‘fintech’ (empresas tecnológicas de serviços financeiros) nos bancos, tendo dito que a CGD tem vindo a apostar na digitalização e em sistemas de análise de informação com vista a criar produtos adaptados as necessidades dos clientes.

Contudo, afirmou Paulo Macedo, é preciso saber avaliar as áreas em que as ‘fintech’ querem aturar, considerando que estão sobretudo interessadas em entrar no negócio dos bancos que é rentável, como serviços de pagamentos e crédito rápido (por exemplo, crédito ao consumo).

“Já das áreas ‘core’ dos bancos, as ‘fintech’ fogem como o diabo da cruz”, afirmou, referindo-se aos depósitos (uma vez que têm elevada regulação e implicam grandes montantes de capital) e a créditos a médio e longo prazo. “A banca tem de servir melhor na área de segurança, nos depósitos, e servir melhor na relação duradoura”, considerou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da CGD considera que banca não voltará ao crédito fácil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião