Trabalhadores dos CTT temem que despedimentos degradem serviço

Administração dos CTT reuniu-se com a comissão de trabalhadores. Rescisões com 1.000 trabalhadores até 2020 é apenas "um objetivo" e ainda não haverá plano sobre como realizar o corte.

Os CTT CTT 1,52% deverão acabar este ano com menos 200 trabalhadores na empresa e tenciona rescindir com outros 800 funcionários até ao final da década. No entanto, este é apenas “um objetivo” e os Correios ainda não terão um plano concreto sobre como levar a cabo esta redução sem realizar um despedimento coletivo. Sabe-se apenas que a intenção é ter “em consideração a evolução etária”, isto é, cortar com os trabalhadores mais velhos e em idade de reforma.

A informação terá sido comunicada esta quarta-feira à comissão de trabalhadores dos CTT, apurou o ECO junto do coordenador, José Rosário. “Não acredito muito na informação que nos vão dando, mas aquilo que nos dizem, nesta reunião, é que nada está feito. Ou seja, este plano de reestruturação não existe. É um objetivo, tendo em consideração a evolução etária das pessoas que lhe permite libertar este número de trabalhadores mas que, no concreto, em termos de como é que se faz esta redução, não está sequer estudado”, disse, em conversa com o ECO.

Segundo José Rosário, a empresa vai agora “iniciar trabalho” e “estudar alterações aos modelos que permitam libertar estas pessoas garantindo os padrões de qualidade”. “Não nos parece que seja assim. Até poderia ser verdade se nestes últimos anos não tivesse havido uma reorganização e uma reestruturação significativa nas áreas operacionais”, criticou o coordenador da comissão de trabalhadores.

Recorde-se que, em entrevista ao ECO24, o programa do ECO e da TVI24, Francisco de Lacerda revelou que o plano de reestruturação anunciado este mês aos mercados foi antecipado “um ou dois trimestres”, num contexto de aceleração da queda no volume do correio provocada pela digitalização das comunicações.

"Este plano de reestruturação não existe. É um objetivo, tendo em consideração a evolução etária das pessoas que permite [aos CTT] libertar este número de trabalhadores mas que, no concreto, em termos de como é que se faz esta redução, não está sequer estudado.”

José Rosário

Coordenador da comissão de trabalhadores dos CTT

Redução ameaça qualidade do serviço dos CTT, alertam os trabalhadores

José Rosário deixou ainda o alerta de que não será possível reduzir um total de 1.000 trabalhadores até 2020 sem degradar a qualidade do serviço dos Correios, sobretudo no que toca aos “padrões de qualidade contratualizados com o Governo e com os próprios clientes” em contexto de concessão do serviço público postal.

A informação transmitida na reunião desta quarta-feira entre a administração da empresa e a comissão é a de que vai ser agora criada “uma comissão de acompanhamento”. Assim, os CTT vão “agora começar a desenvolver trabalho no sentido de estudar como implementar esta redução”. “Será trabalhada em função do movimento natural dos trabalhadores tendo em consideração a idade da reforma, tendo em consideração a faixa etária dos trabalhadores”, afirmou José Rosário.

Não nos parece possível, sequer viável, garantindo um mínimo de qualidade, estas reduções anunciadas de 800 trabalhadores.

José Rosário

Coordenador da comissão de trabalhadores dos CTT

Fim da contratação a termo tem de ser gradual

“Outra questão anunciada aos mercados e à comunicação social foi o final da contratação a termo. Foi hoje [quarta-feira] reconhecido que [os CTT] pretendem reduzir significativamente a contratação a termo, mas que já perceberam que não podem acabar assim de um momento para o outro”, continuou José Rosário. “Temos uma taxa de absentismo muito elevada, na ordem dos 7%. Não é possível assegurar a atividade sem alguma capacidade de resposta mediante a contratação e substituição de trabalhadores ausentes”, defendeu.

Quanto à venda de ativos, outro dos pontos-chave do plano de reestruturação anunciado aos mercados, os CTT tencionam alienar 30 imóveis considerados não estratégicos. Aos trabalhadores, foi explicado que o objetivo é “centralizar locais de trabalho” para reduzir “os custos de exploração”.

Uma estratégia que não é a melhor na visão dos trabalhadores. “A empresa tem vendido imóveis e tem mudado a atividade para imóveis alugados, aumentando os custos de exploração porque passa a pagar uma renda quando pagaria o IMI, eventualmente, no final do ano”, acusou José Rosário. “Também aqui nos dizem que não é bem assim. Que aquilo que pretendem é, tentando centralizar locais de trabalho, criar aqui uma nova estrutura que tem de ser trabalhada, que tem ser estudada, e reduzir imóveis que venham a ser libertados da atividade que serão, então, vendidos”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores dos CTT temem que despedimentos degradem serviço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião