Aumento da despesa do setor puxa preço do pão em 2018

  • Lusa
  • 28 Dezembro 2017

Aumentos do preço dos combustíveis, dos salários, dos custos de manutenção e dos ovos são alguns dos fatores que levam o setor a prever uma correção dos preços do pão, no próximo ano.

O presidente da Associação dos Industriais de Panificação, Pastelaria e Similares do Norte (AIPAN), António Fontes, disse à Lusa que é expectável que o preço do pão sofra “correções” em 2018, devido ao aumento da despesa do setor.

“Não há dúvida que nenhuma atividade pode estar sem fazer alguma correção nos preços dos seus produtos durante sete anos sem que isso não tenha reflexos económico-financeiros dentro das empresas. Os combustíveis, entre 2011 e 2017, subiram mais de 50% […], os salários tiveram um crescimento na casa dos 19%, os custos de manutenção, estimamos que tenham superado os 60% e temos ainda os ovos [cujo preço] subiu cerca de 50% desde a altura dos incêndios”, vincou.

Conforme indica o representante da AIPAN, apenas a farinha não registou grandes oscilações no valor, sublinhando que, caso esse cenário se tivesse verificado, o número de falências teria sido “muito mais elevado”. Porém, António Fontes admite que a subida dos preços, que não especificou, pode potenciar situações de concorrência desleal.

“É verdade que tememos que a concorrência se faça de uma forma muito desigual. As grandes unidades de distribuição fazem-nos uma concorrência feroz […], mas o país não pode perder um setor desta importância, portanto, os empresários têm que tomar alguma atitude”, referiu.

De acordo com o presidente da AIPAN, muitas empresas do setor correm, atualmente, o risco de entrarem em falência, sobretudo as que se dedicam, exclusivamente, ao fabrico de pão.

“Estamos a falar de um mercado tradicional, onde a grande maioria das empresas terá até cinco ou dez trabalhadores. Há muitas empresas do setor da panificação que, ao longo dos anos se adaptaram, incluíram a pastelaria, a confeitaria e até serviços de cafetaria e essas, de alguma forma, têm maior sustentabilidade do que aquelas que só operam a partir da panificação, ou seja, micro e pequenas empresas em risco iminente de falirem, ao longo dos próximos tempos”, considerou.

Para António Fontes é expectável que a situação “venha a piorar”, sobretudo após a entrada de grandes grupos no mercado da panificação.

“É expectável que as coisas venham a piorar. Não conseguimos competir com o pão produzido em máquinas intensivas, que não tem nada a ver com a nossa cultura, no entanto, chama-se pão”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aumento da despesa do setor puxa preço do pão em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião